Meu caro Amigo Dojival,

Acabei de ler o seu artigo ''O péssimo exemplo de Lula'' e, como diriam os seus conterrâneos, o amigo ''pegou pesado''. Seu artigo realça a questão de mérito na educação como condição sine qua non para reconhecimentos e, como jornalista e ativista contra o preconceito e a discriminação, arrisca-se a dar de bandeja um manjar servido de argumentos fortalecidos aos elitistas e aos meritocratas que são contra as cotas.

Por outro lado, ao colocar Lula como negro (nunca o vi assumir essa condição ao contrario de Chavez, que assumia pública e orgulhosamente a sua afrodescendencia/negritude) arrisca-se igualmente a banalizar o discurso racial e a dar igualmente de bandeja mais um grande argumento aos que, doravante, podem defender que o Brasil ja teve um presidente negro e que esse problema não mais se coloca.

A não ser que seu artigo seja meramente provocativo e tenha por objetivo provocar um grande debate em torno dessas questões. Falo como amigo e observador externo, conhecedor mas tambem desconhecedor de muitas dinâmicas internas.

Mas como observador externo desses últimos anos da vida politica brasileira, e na parte que mais me apaixona, posso garantir que jamais um presidente brasileiro fez tanto para colocar o nome do Brasil no mapa mundial para lá do futebol e do carnaval e, como Lula, nenhum outro fez por resgatar e fortalecer as relações com a Mãe África.

E, mais: arrisco-me a dizer que nenhum ''príncipe'' da elite que sempre governou o Brasil fez tanto por o tornar em um pais mais justo.  A vida em si é uma grande universidade, a mais importante de todas para os nela dispostos adquirir e transmitir conhecimentos.

Nela o ''nosso'' Brasil já deu incontáveis diplomados com distinção. Por exemplo, Patativa do Assaré estudado em universidades estrangeiras e várias vezes nomeado para o simbolismo de “Doutor Honoris Causa”, o que não significa, porém, que as pessoas não devam investir na sua educação escolar como complemento da educação pela vida e para a vida, como implícitamente sugere no seu artigo.

Penso, pelas evidências, que Lula se diplomou com distinção no tocante a conhecimentos adquiridos pela sua vida de luta. 

Grande abraço,

Alberto

Alberto Castro