Brasília – Pesquisa realizada pelo Instituto Sensus para a Confederação Nacional do Transporte (CNT), em maio de 2004, portanto, há menos de dois anos, apontou que 61,1% da população apoiava cotas para negros nas universidades e apenas 29,4% dos entrevistados era contra. Outros 9,6% não souberam opinar.
Os números são exatamente os mesmos porém, agora aparecem com sinal trocado: pesquisa realizada pela Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), em dezembro do ano passado, aponta 61% contra as cotas e 36% a favor.
A coincidência não acontece apenas na inversão dos números. A nova pesquisa coincide com a ofensiva dos setores contrários às ações afirmativas, em campanha desencadeada pelos meios de comunicação – a TV Globo à frente – contrária a aprovação do projeto de Lei 73/99, que reserva 50% das vagas nas universidades estaduais e federais para oriundos da escola públicas, inclusive para negros e indígenas. O projeto tramita no Congresso.
A pesquisa do Instituto Sensus envolveu duas mil pessoas em 165 municípios. A da Federação apenas 1.001 questionários em oito macroregiões do país e apenas os pais com filhos no ensino básico privado.

Da Redacao