Nós da Coordenadoria de Políticas Públicas para População Negra e Indígena do Estado de São Paulo entendemos que a melhor forma de se chegar a um resultado, onde todos ganhem, é o diálogo. No caso do PIMESC acreditamos que o debate é essencial para a compreensão da proposta e também é o caminho para que a mesma atinja principalmente o seu alvo, que são os alunos de escola pública, especialmente negros e indígenas.

Não é por acaso que lideranças como Frei Davi, Prof. Augusto Werneck e Dr. Hédio Silva Jr. defendem essa proposta. Prof. Werneck entende que um dos pontos mais fortes da proposta é a proposição de metas para atingir o número adequado de alunos da rede pública, negros e indígenas dentro das Universidades Paulistas.
 
Outro questão é a bolsa que esses alunos receberão Isso mostra que a proposta foi pensada com respeito, com critérios técnicos  e não com finalidade político-partidária.  A questão do "college" tem a intenção de suprir a defasagem do ensino da escola pública e é uma experiência já existente em vários locais. 
 
Realmente lamentamos a partidarização do debate e acreditamos que é uma pena pessoas dedicarem seu tempo para descontruir uma ação, que terá um impacto muito grande na vida educacional de pessoas menos favorecidas.  
 

 

Elisa Lucas Rodrigues