Atlanta/EUA – Desconhecido pela maior parte dos ativistas do Movimento Negro, o Plano de Ação conjunta Brasil Estados Unidos (Joint Action Plan to Eliminate Racial and Ethnic Discrimination and Promote Equality – JAPER) tem um Grupo Diretor para a Promoção da Igualdade de Oportunidades, cuja representante brasileira é Magali Naves.
Da parte americana, o responsável é o próprio chefe do Escritório para o Brasil e Hemisfério Sul do Departamento de Estado, Milton Drucker. Drucker disse à Afropress na reunião que manteve com jornalistas brasileiros na terça-feira (18/05) que o projeto envolve investimentos de ambos os lados, estando prevista a aplicação de vários “milhões de dólares”. Ele não quis mencionar valores.
Educação
Os assuntos a serem tratados pelo Grupo Diretor incluem as áreas de educação nos níveis fundamental, secundário, profissional e superior (graduação e pós-graduação), com ênfase especial à educação para a democracia e sua associação positiva em níveis crescentes de tolerância, igualdade e igualdade; cultura e comunicação, incluindo mídia cultural; trabalho e emprego; moradia e alojamentos públicos; igualdade na proteção à lei e no acesso à Justiça; aplicação no plano doméstico de políticas pertinentes de combate à discriminação; esportes e lazer; saúde, inclusive a realização de estudos sobre doenças prevalecentes em grupos étnico-raciais minoritários; temas sociais, históricos e culturais que possam se relacionar ao preconceito étnico-racial; acesso ao crédito e oportunidades de treinamento.
No Plano assinado em março de 2008 está previsto que o Grupo Diretor poderá adotar técnicas e iniciativas para a promoção da igualdade e métodos para eliminar a discriminação baseada em raça ou etnia, inclusive, programas de treinamento; parcerias público-privadas com empresas e organizações não-governametnais;realização de oficinas e seminários; intercâmbio de especialistas e bolsas de estudos e pesquisas.
O Plano, conforme destacou o próprio embaixador americano, Thomas Shannon, faz parte de uma estratégia dos dois países de melhorarem ainda mais suas relações, partindo do conceito de uma relação global que inclua a sociedade civil como protagonista.

Da Redacao