Salvador/BA – A Polícia Militar Baiana invadiu a sede da Associação dos Moradores do Nordeste de Amaralina (AMNA) no último sábado (03/08) e impediu a exibição do documentário sobre a morte do garoto Joel da Conceição Castro, de 10 anos. O garoto, estrela da campanha de publicidade da Bahiatursa – empresa oficial do turismo da Bahia – e que aparece em vídeo narrado pelo cantor e ex-ministro da Cultura, Gilberto Gil, foi morto em casa há três anos, no dia 21 de novembro de 2010, com um tiro na cabeça disparado por policiais que participavam de uma operação na região de Amaralina, final da Avenida Manoel Dias.

Nem a ministra chefe da SEPPIR, socióloga Luiza Bairros, nem o governador Jacques Wagner (PT), sob cujo comando está a Polícia Militar, se manifestaram sobre o caso. O vídeo exibe depoimentos do pai, da mãe e da família do garoto, além do comandante da PM baiana e cenas do governador cometendo um ato falho numa cerimônia pública recente. Ao discursar, Wagner disse: “Eu queria lembrar, que aquilo me marcou muito a morte do menino Joel, filho de Ninha [pai do garoto] … mas eu também não tô atrás de buscar o culpado não…”, disse.

Censura

Os policiais, que estavam fortemente armados, alegaram que o vídeo incita a população contra a corporação. Dirigentes da AMNA ainda tentaram negociar propondo a exibição de outros vídeo-documentários, mas os policiais mantiveram-se irredutíveis e ameaçadores, segundo lideranças da entidade.

O filme seria apresentado como parte do Projeto Cine Maloca, com o objetivo de promover a discussão e a mobilização da comunidade sobre os problemas da violência, das precárias condições de moradia e de abandono do bairro pelas autoridades públicas.

Os dirigentes da AMNA disseram que entrarão com representação junto a Defensoria Pública do Estado e ao Ministério Público para assegurar o direito democrático de livre expressão.

Solidariedade

"Solicitamos a solidariedade de todas pessoas e organizações democráticas que defendem os direitos humanos que se posicionem contra mais essa violência policial contra a população do Nordeste de Amaralina, enviando cartas de protestos ao Comando da Policia Militar da Bahia e para o Governador Wagner e divulgando o amplamente o vídeo-documentário proibido", diz o texto publicado no último sábado.

O Departamento de Comunicação Social da Polícia Militar da Bahia informou que vai "apurar os motivos pelos quais teria sido impedida a exibição do documentário".

O vídeo-documentário censurado pela Polícia Militar foi realizado de forma independente, dirigido pelo italiano Max Gaggino e produzido pelo baiano Rodrigo Cavalcanti, em nove meses de trabalho.

O caso

O menino foi baleado quando estava na janela de sua casa e se preparava para dormir. As três guarnições envolvidas na operação, de acordo com o Jornal Correio da Bahia, eram da 40ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Nordeste). O garoto ainda chegou a ser levado para o Hospital Geral do Estado (HGE), mas já chegou morto. 

Em junho deste ano, um primo de Joel foi morto durante outra operação policial na comunidade. De acordo com familiares, Carlos Alberto Conceição Júnior trabalhava em um hotel e, na sua folga, teria saído de casa para encontrar com amigos quando foi morto durante a abordagem policial. A morte gerou protestos dos moradores. A família de Joel e Carlos Alberto diz estar sofrendo ameaças sem que as autoridades tomem qualquer providência.

De acordo com laudo do Departamento de Perícia Técnica (DPT), os disparos que atingiram o menino Joel foram feitos por um dos soldados de nome Eraldo, que há 14 anos integra a corporação. Ele e outros oito policiais que participaram da ação estão afastados das atividades nas ruas, foram transferidos para funções administrativas durante o período de investigação até o julgamento, mas ninguém foi preso.

 

Veja o documentário proíbido pela Polícia baiana, o vídeo da campanha da Bahiatursa e como a Afropress, à época, noticiou o crime.

http://www.youtube.com/watch?v=z5mpkPCVpNs#at=2954

http://www.youtube.com/watch?v=65DK7Jqo7HM&feature=player_embedded

http://afropresscomunicacao.hospedagemdesites.ws.br/post.asp?id=12048

 

Da Redacao