Brasília – A Polícia Federal prendeu esta semana a quadrilha de grileiros acusada de matar e expulsar de suas terras os indígenas de uma das poucas tribos do Amazonas que ainda não tinham feito contato com os brancos. A tribo foi avistada no mês passado por funcionários da Funai e quase nada se sabe a respeito do seu idioma nem a Nação a qual pertence.
A PF prendeu, no total, 29 pessoas e expulsou os grileiros que estavam ocupando, desmatando e vendendo irregularmente as terras habitadas pela tribo localizada perto do Rio Aripuanã, na divisa entre o Mato Grosso e o Amazonas.
Os presos são ligados a uma Associação de fazendeiros que pretendia ocupar a área conhecida como terra indígena Rio Pardo. O território está destinado a virar reserva indígena, porém essa decisão ainda não foi homologada pelo Governo.
Segundo o promotor mato-grossense Mário Lúcio Avelar, há fortes indícios de que os fazendeiros pretendiam exterminar os indígenas para ficar com suas terras. “Esta é uma comunidade indígena isolada, então nunca teremos uma prova, mas há fortes indícios de que esses criminosos estavam tentando exterminá-los para tomar suas terras – disse o promotor”.
A expedição da Funai localizou grileiros armados com pistolas e bombas, segundo um porta-voz da agência indigenista.

Da Redacao