Recife/Pernambuco – Uma caravana formada por entidades de defesa dos Direitos Humanos e da causa indígena parte para Cabrobó, Sertão do São Francisco, nesta sexta-feira (29/07), para protestar contra a impunidade e os sistemáticos atos de violência contra os índios Truká pela Polícia Militar de Pernambuco. O ato será na Ilha de Assunção, onde acontecem às 7h da manhã de sábado, uma missa e um ritual. Às 10h, haverá ato público no centro da cidade.

As mortes de indígenas Truká foram denunciadas na semana passada, em reunião da ONU, em Genebra.No dia 30 de junho, Adenilson dos Santos (Dena),38 anos e seu filho Jorge dos Santos, 17 anos, foram assassinados por Policiais Militares após participarem de festividades na terra indígena que contaram com a presença do ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes e do presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai) Mércio Pereira Gomes.

Em 2.001 foram assassinados pela Polícia Militar os Truká José de Nô Félix e seu filho Nilson Félix. O povo Truká acusa como responsáveis pelo assassinato de Dena e Jorge, policiais militares que integram o grupo de extermínio do Serviço Reservado da Polícia Militar de Pernambuco. No dia 11 de julho passado, o cacique Aurivan dos Santos, conhecido como Neguinho Truká, foi preso pela Polícia Federal enquanto prestava depoimento sobre os assassinatos.

Mesmo, tendo pedido para prestar depoimento na terra Truká por questões de segurança, a Polícia Federal o intimou a depoir no município de Salgueiro, onde foi preso. O protesto do povo Truká tem o apoio de várias outras Nações indígenas, entre as quais o povo Xukuru, Atikum, Pankará, Kapinawa, Kambiá, Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH), Associação Nacional de Ação Indigenista (Anai), Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Associação Estação da Cultura de Arcoverde, Centro de Cultura Luiz Freire e Estudantes de Ciências Sociais da Universidade Federal de Pernambuco.

Da Redacao