Brasília – Cerca de 50 integrantes da Juventude Indígena de todas as regiões do país, que participam de oficina de formação política promovida com a colaboração da Presidência da República e da Fundação Nacional do Índio (FUNAI), foram recebidos nesta quinta-feiraa (04/04), pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa.

Os jovens indígenas entregaram a Barbosa um documento com uma série de reivindicações, entre as quais, a demarcação de áreas indígenas como as 32 áreas dos povos Guarani Kaiowá, em Mato Grosso do Sul, além da agilização do julgamento dos recursos relacionados a demarcação da terra indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, decididas há três pelo STF, no julgamento da Petição 3388.

O encontro com o presidente do STF foi acompanhado pela advogada indígena Joênia Wapixana, e a subprocuradora-geral da República Débora Duprat. A oficina da Juventude Indígena terminou nesta sexta-feira (05/05).

Segundo os integrantes do grupo indígena a conclusão do processo de demarcação da terra indígena Raposa Serra do Sol, está na dependência do julgamento de recursos que tramitam há três anos no Supremo. Barbosa prometeu colocar o assunto em pauta, tão logo possível, e examinar o documento de reivindicações.

O grupo indígena também expressou preocupação com a impunidade de ocupantes de áreas indígenas, bem como de acusados de atos de violência contra indígenas. A advogada Joênia Wapixana citou o caso de Paulo Cesar Justo Quartiero, atual deputado federal pelo DEM de Roraima, líder dos arrozeiros da área indígena Serra Raposa Serra do Sol.

As reivindicações dos povos indígenas serão debatidas no dia 19 deste mês, em Brasília, numa Audiência Pública programada pela 6ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal, dedicada a questões dos povos indígenas e das minorias étnicas. Ao final da audiência, o grupo presenteou Barbosa com um cocar feito por pataxós de Minas Gerais.

Da Redacao