S. Paulo – Para desgosto dos nossos adversários, os inimigos da liberdade de pensamento e de expressão, a Afropress volta a operar normalmente, depois de ter o acesso interrompido por quase uma semana, em razão da migração dos servidores para outro “datacenter”, promovida pelo nosso Provedor – a Rede Rits – Rede de Informações para o Terceiro Setor.
Devido ao procedimento, segundo informações da Rits, os serviços do Projeto RitsNet, entre os quais o da Afropress – sofreram grande instabilidade.
O RitsNet é um projeto de serviços Internet sem fins de lucro para as entidades civis mantido pela Rits desde 1998. Tem sido sempre subsidiado por projetos da Rits, já que a contribuição das associadas não tem sido suficiente para cobrir os custos operacionais do sistema.
Segundo o coordenador Técnico da Rede, Marcílio Cassella, a Afropress já pode ser acessada normalmente, desde a manhã desta terça-feira, 31 de março.
A Afropress é a única Agência de Notícias no Brasil, com foco na temática étnico-racial e, segundo estatísticas, mantém índices de acesso de cerca de 15 mil leitores/mês. Está há quatro anos no ar, de forma ininterrupta, seus profissionais trabalham em caráter voluntário, fazendo jornalismo, crítico, plural e com independência de idéias.

Da Redacao