S. Paulo – O Procon de S. Paulo decidiu endurecer para coibir a prática de empresas que abusam do racismo na publicidade e inicia nesta terça-feira 21/03 – Dia Mundial de Luta contra o Racismo – um processo de mobilização visando coibir a prática da propaganda discriminatória. O documento que será redigido alerta: a sociedade não aceita práticas discriminatórias na mídia.
Para começar o órgão decidiu endurecer com a gigante holandesa Unilever, responsável pela maionese Hellman’s, e punirá a empresa com multas que variam de R$ 212m81 a R$ 3,19 milhões, em virtude da propaganda da maionese que retrata um grupo tribal de origem africana, cujos homens são negros são tratados como canibais, e a caça é representada por um homem branco.
Para o Procon, que recebeu dezenas de reclamações de consumidores, a propaganda de um produto que é utilizado por crianças, cidadãos que têm menor capacidade de discernimento, não pode contribuir para alimentar o preconceito e a segregação racial.
Segundo a diretora executiva do órgão, professora Eunice Prudente, “não se devem tolerar, em hipótese alguma, publicidades que ferem os direitos dos afrodescendentes”.
A Unilever disse que só se manifestará a respeito, quando for oficialmente notificada, embora já tenha praticamente retirado a propaganda dos comerciais de TV.

Da Redacao