Rio – Foi liberada neste sábado (26/01), mediante um hábeas corpus impetrado por seus advogados, a produtora de cinema Ana Cristina Azevedo de Paiva, 40, presa após ter sido acusada de crime de racismo, interpretada pelo delegado que atendeu a ocorrência como injúria racial.
A funcionária de uma lanchonete na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, Agatha Damasceno Fernandes, acusa Ana Cristina de ter discutido com ela na hora de pagar uma pipoca antes da sessão de cinema no Shopping Downtown.
O bate-boca começou quando a produtora tentou pagar a conta com um cartão de débito. A vendedora tentou, sem sucesso, passar o cartão, ouvindo, em seguida, desaforos de Ana Cristina que, entre outras coisas, a chamou de incompetente e de “neguinha da Rocinha”, versão confirmada por testemunhas. O caso foi parar no 16º DP.
Agressão
Segundo testemunhas, quando a vendedora respondeu que, se a achava incompetente ela própria passasse o cartão, a produtora não teve dúvidas: “Essa neguinha da Rocinha é uma péssima funcionária”.
Segundo o delegado Rafael Willis, Ana Cristina disse que estava de cabeça quente e tentou pedir desculpas à vítima. As desculpas, contudo, não foram aceitas e o flagrante foi registrado.
O crime de injúria racial, em caso de condenação, prevê multa e reclusão de um a três anos.

Da Redacao