Tietê/SP – O caso de agressão racista praticada por um professor de História, na semana passada, contra uma aluna da 8ª série da Escola Estadual Plínio Rodrigues, de Tietê, interior de s. Paulo, já chegou à Secretaria de Educação do Estado e ao Conselho Nacional de Combate à Discriminação.
A estudante – L.A.B – de 14 anos, ao levantar da carteira para jogar papel no lixo foi abordada pelo professor de nome Júnior com a seguinte frase: “Você não tem vergonha de ser negra, você faz parte da minoria desse país e ainda se comporta dessa maneira?”
A cena foi presenciada pelos cerca de 40 colegas da classe que, indignados, chegaram a interpelar o professor, que continuou dando aula normalmente. A mãe da estudante, Maria Bonifácio, ao tomar conhecimento procurou a diretora da Escola, Sueli Cândido, que também não tomou nenhuma providência.
Diante da gravidade do fato, entidades da região de Tietê e interior paulista encaminharam documento em que exigem a apuração do caso, pois consideram “inadmissível” ainda mais tendo a ofensa partido de um docente “que deveria ensinar aos seus alunos valores de cidadania, e não o contrário”. “O agravante é que o fato ocorreu em uma unidade escolar pública, onde se deve aprender a respeitar o cidadão, independente de sua origem étnica, condição social e orientação sexual”, afirma o texto, encaminhado a Secretaria da Educação, Secretaria de Justiça e Defesa da Cidadania, Ministério da Educação, Procuradoria Geral da República, Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Conselho Nacional de Educação.
Entre as entidades que assinam a denúncia estão a Ação Negra (MG), Aqualtune – Grupo de Mulheres Negras de Araras/SP, Associação de Estudantes Negros da América Latina, Associação de Mulheres Negras de Ivaporangaba/SP, e Fórum de Entidades Negras do Interior de S. Paulo.

Da Redacao