Sarandi/RS – O publicitário e produtor cultural, Nilo Feijó, foi vítima de racismo e ameaça por parte de policiais da Brigada Militar do Rio Grande do Sul. O caso aconteceu por volta das 3h40min da madrugada deste sábado (03/01) no interior do pub Café do Vale, localizado na cidade de Sarandi, na região noroeste do Estado, a 333 Km de Porto Alegre.

Segundo o produtor cultural, também militante do Movimento Social Negro gaúcho, ele estava acompanhado de um cunhado quando, a certa altura, pediu para ir embora. Enquanto aguardava, um amigo que os acompanhava recomendou que aguardassem em um camarote do pub.

Violência

Ao entrar no camarote, Nilo ouviu de uma jovem que ele não poderia entrar naquele espaço porque era negro. Houve uma discussão e Nilo foi chamado pela jovem de “negro sujo”. A esta altura os seguranças da casa se aproximaram e o retiraram aos empurrões e com violência.

A Polícia Militar foi chamada e, de acordo com o publicitário, a confusão continuou na parte externa da boate. Nilo contou ter sido ofendido pelos brigadianos. “Ameaçaram me jogar gás de pimenta e também me intimidaram a não registrar ocorrência pelo episódio. Precisei sair da cidade e me esconder na casa de familiares porque fui ameaçado pelos policiais”, denunciou.

Em sua página pessoal na rede social Facebook, o publicitário disse que procurou a Policia para registrar ocorrência, porém, a Delegacia estava fechada e ele teve de fazê-lo na Brigada Militar, que se recusou a fazer o registro da ocorrência como racismo.

O caso foi registrado como ameaça. “Necessito da ajuda de todos os amigos da imprensa e também peço a mobilização da sociedade. Que este tipo de incidente nunca mais aconteça com pobre, negro, branco ou qualquer pessoa”, concluiu o produtor cultural.

Da Redacao