Quando vamos ver que o fundamentalismo pregado por “adoradores de dinheiro” e que se aproveitam de um povo abandonado pelo Estado, para criar seus templos do poder, não é nenhuma brincadeira, que é uma coisa muito séria, que gera uma violência sem absolutamente nenhum controle, e que muitos países já não sabem mais o que fazer diante das guerras, que a intolerância religiosa e racista geram?

(Ao lado o que restou do terreiro atacado em Brasilia-novembro 2015-foto conexão jornalismo)

Se nem o governo federal nem o estadual, tomarem uma posição para cortar este mal pela raiz.
Iremos todos nós pagar um preço muito caro.

O Estado é para proteger o exercício da religiões e só.

E as religiões tem que deixar o Estado em paz e cuidar mais de seus fiéis. Esta mistura de religião, poder e Estado que estamos vivendo em Brasília, é o prenúncio da guerra fratricida que já temos aqui embaixo.

Até há pouco os ataques dos fundamentalista eram só no grito, provocações e difamações das religiões de matrizes africanas, nos ônibus, trens, metrôs, nas televisões e templos fundamentalistas, além de ataques a terreiros e pedradas em mães de santo e suas filhas que andassem paramentadas pelas ruas. Episódios fundamentalistas e racistas com os quais a sociedade não se importa.

Nossos gritos ninguém ouve. Mas estamos sempre lembrando que o “bicho" tá crescendo e tá pegando”.

Igrejas católicas, sinagogas e mesquitas também estão na mira destes fomentadores de terrorismo religioso, que é um passo além da intolerância, e que qualquer maluquinho alucinado pela lavagem cerebral que recebe, que a gente vê entrando nos ônibus de trens de nossa cidade, pode nos atacar tanto individualmente como coletivamente, quer tenhamos religiões, que não as tenhamos.

Pois para um fiel de cabeça-lavada por verdadeiros “bandidos da palavra”, todos nós que não rezam de seu livro-cartilha, somos os representantes do mal, que na cabeça deles, não só precisam ser eliminados ou no mínimo neutralizados.

A maioria dos ataques tem sido contras os terreiros e seguidores do Candonmblé. Umbanda e afins, mas estão crescendo, os intolerantes… Sentem-se no poder.

IMAGENS DA CATEDRAL DE DUQUE DE CAXIAS SÃO QUEBRADAS EM ATO DE INTOLERÂNCIA RELIGIOSA

(Ao lado o que restou de uma imagem santa em Caxias-RJ-foto Diocese de Caxias)

No fim da tarde de terça-feira (26/01) um jovem de 13 anos entrou na Igreja Catedral de Santo Antônio, situada à Avenida Governador Leonel de Moura Brizola no centro de Duque de Caxias, acompanhado de sua mãe e após interpelar uma fiel que orava no templo sobre sua conduta religiosa dirigiu-se às imagens de Nossa Senhora Imaculada Conceição e do Sagrado Coração de Jesus que ficavam nos altares laterais da igreja-mãe da Diocese de Duque de Caxias, derrubando-as no chão, quebrando-as irreparavelmente.

Por meio do seu Vigário Geral, Padre Renato Gentile, a Diocese acredita que o ato de intolerância religiosa, embora gravíssimo e repugnante, tenha sido uma ação isolada provocada pela distorção da mensagem da Sagrada Escritura e pelo fundamentalismo religioso presente e difundido por algumas igrejas e que não representam a totalidade dos irmãos e irmãs de outras igrejas e doutrinas evangélicas.

O caso foi registrado na 62ª DP de Imbariê, em Duque de Caxias, visto que foi uma apreensão em flagrante e esta deve ser lavrada pela autoridade policial competente, que encontrava-se nessa delegacia.

P.S. O artigo foi postado originalmente em Mamapress

Fonte: Diocese de Duque de Caxias

 

 

Marcos Romão