Racismo é um dispositivo de poder que estrutura, naturaliza, e justifica privilégios e exclusões baseados em supostas superioridades e inferioridades atribuídas aos diferentes grupos humanos. O que caracteriza o racismo é a transformação do sentimento de estranhamento que a diferença produz em ação discriminatória ou estratégia de poder para um determinado grupo humano. Ou seja, quando alguém ou um grupo cultural e socialmente racializado (posto que raças no sentido biológico não existem) tem o poder de inferiorizar outro e cercear, impedir ou negar o acesso individual ou coletivo a qualquer dimensão da vida social ou atingir a sua imagem e dignidade humana acarretando- lhes prejuízos materiais ou simbólicos.
Portanto, nenhum branco está obrigado a gostar de negros como igualmente nenhum negro está obrigado a gostar de brancos. Estamos ambos obrigados a não nos discriminar, a não violar os direitos recíprocos que temos: de ir e vir, a uma imagem positiva, destituída de estereótipos, à valorização cultural; a ter oportunidades sociais iguais, de não cometer injúria ou difamação baseadas em cor de pele, raça ou etnia.
É o ato concreto de discriminação que caracteriza o racismo e não os sentimentos de simpatia ou antipatia que possamos ter uns pelos outros, muito embora eles possam ser determinados pelo ideário racista que instituiu as supostas diferenças que ancoram até o presente as desigualdades raciais e étnicas. E que deve ser permanentemente combatido para que os sentimentos que esse ideário forjou possam dar lugar a uma disposição positiva em relação à diversidade humana. Enquanto isso não for possível, que a lei possa nos proteger a todos.

Sueli Carneiro