S. Paulo – No primeiro debate para o segundo turno das eleições, realizado e transmitido pela TV Bandeirantes, os candidatos Luis Inácio Lula da Silva, do PT, e Geraldo Alckmin, falaram de quase tudo, menos do tema de interesse da metade da população brasileira: a questão da desigualdade racial.
Durante cerca de duas horas e meia, Lula e Alckmin abordaram temas como corrupção, crescimento econômico, cortes no gasto público, juros, trocaram acusações sobre os escândalos do mensalão, sanguessugas, dossiês, porém, não disseram, por exemplo, que posição terão com relação ao projeto do Estatuto da Igualdade Racial, em tramitação há 11 anos no Congresso. Nem como se posicionarão em relação às Ações Afirmativas e cotas, previstas no PL 73/99, há sete anos aguardando para ser votado.
O silêncio dos candidatos foi igualmente seguido pelos jornalistas Fernando Mitre, Franklin Martins, Fernando Vieira de Mello e José Paulo de Andrade e Joelmir Betting, no bloco de perguntas dos jornalistas. A postura também foi a tônica dos dois candidatos na campanha que antecedeu o primeiro turno.
Pesquisa
Na edição deste domingo, a Folha de S. Paulo revelou que 50% das pessoas ouvidas na primeira pesquisa para o segundo turno do Instituto Datafolha, se declararam negras (pretas e pardas) contra 43% que se declararam brancas.
Na primeira pesquisa geral de intenção de votos feita pelo Datafolha, Lula aparece com 50% das intenções de votos, contra 43% de Alckmin.
Entre os eleitores negros Lula, lidera com folga a pesquisa de intenção de votos com 63% das intenções de votos contra 29% do candidato tucano. Entre os pardos 54% dizem que votarão no petista, contra 40% que declaram voto em seu adversário.
Alckmin tem a preferência de 51% das pessoas que se declaram brancas, contra 42% que declararam voto em Lula. Entre os amarelos, que representam menos de 1% da população brasileira, 49% votam em Alckmin e 44% em Lula.
Segundo analistas, o voto negro majoritário em Lula se explica em virtude de o petista ter 59% das intenções de voto entre as pessoas de renda mais baixa (até 2 salários mínimos), onde está concentrada maioria da população negra. Alckmin tem apenas 34% nesta faixa de renda, que representa 47% do eleitorado total.

Da Redacao