Ouagadougou/Burkina Faso – O documentário longa-metragem “Raça”, do cineasta brasileiro Joel Zito Araújo e da documentarista norte-americana Megan Mylan – vencedora de um Oscar em 2008 com o documentário “Smile Pinki” –, será uma das atrações do maior festival de cinema da África, o FESPACO (Festival Panafricain du cinéma et de la télévision de Ouagadougou).

Numa parceria inédita, os diretores do documentário firmaram acordo com o Fundo Baobá e toda a renda obtida pela bilheteria do filme será revertida para a entidade, voltada à promoção da equidade racial da população negra brasileira e ao apoio a projetos nessa área.

Criado em 2011 e com sede em Recife (PE), o Fundo Baobá para Equidade Racial é uma organização sem fins lucrativos e tem como objetivo mobilizar pessoas e recursos no Brasil e no exterior para apoiar projetos pró-equidade racial de organizações da sociedade civil (OSCs) afro-brasileiras.

O Fundo Baobá também promove uma agenda para estimular a filantropia para a justiça social no país, baseada nos princípios de efetividade, transparência e ética. A Fundação Ford e a Fundação Kellogg são as duas mantenedoras da entidade. A Fundação Tides, o Synergos e o Africare também são parceiros do Fundo Baobá.

FESPACO

Considerado “o Cannes da África”, o FESPACO é o maior festival de cinema da África e ocorre em Ouagadougou, capital de Burkina Fasso. O evento reúne competições de longas e curtas-metragens, de produções africanas e não africanas, com temáticas relacionadas ao mundo dos africanos no continente e na diáspora.

Durante o festival (de 23 de fevereiro a 02 de março), centenas de filmes serão exibidos pela cidade, como o “Raça”, que será apresentado no dia 02 de março e está na disputa pelo melhor filme da Diáspora Africana, concorrendo com outros filmes estrangeiros.

 

Da Redação: com informações de Luiz Gustavo Silva