Nova York/EUA – Rappers norte-americanos, liderados por Jay-Z, que é presidente da gravadora Def Jam, ícone do hip hop nos EUA, decidiram promover um boicote a champagne Cristal, em represália à declarações consideradas racistas feitas pelo diretor executivo da casa Louis Roederer, que produz a bebida, Fréderic Rouzaud.
Em entrevista à Revista britânica “The Economist”, Rouzaud deu a entender que não aprova a associação entre a Cristal e os rappers, vista pela empresa com “curiosidade e calma”. Ao ser perguntado se essa relação poderia ser prejudicial à marca, afirmou: “É uma boa pergunta. Mas o que podemos fazer? Não podemos proibir as pessoas de comprá-lo”. Com ironia em relação aos concorrentes mais “baratos”, disse ainda: “Estou certo de que a Dom Pérignon e a Krug ficariam felizes de ganhar esse mercado”.
Os rappers norte-americanos expressaram em várias oportunidades em músicas e clipes sua preferência pela Cristal, inclusive cunhando a expressão “bebendo Cristal na garrafa” como sinônimo de sucesso. A garrafa da bebida pode chegar ao equivalente a R$ 2 mil nos EUA, valor superior a marcas como Veuve Clicquot, Moet Chandon e Domn Perignon.
Liderados por Jay-Z – que é também presidente da gravadora Def Jam, ícone do hip hop -, artistas resolveram promover um boicote à marca. Isso porque o diretor-executivo da casa Louis Roederer (que produz a bebida), Frédéric Rouzaud, deu declarações consideradas racistas pelos artistas.
Jay-Z disse que deixará de vender o champagne em sua rede de bares temáticos esportivos, onde a bebida custa o equivalente até R$ 1.100,00 e em suas casas noturnas de Manhattan e Atlantic City, além de fazer um boicote pessoal à bebida, trocando seu estoque particular por Dom Pérignon e Krug.
“Chegou ao meu conhecimento que o diretor-executivo da Cristal não considera a cultura hip hop bem-vinda. Considero seus comentários racistas e por isso não darei mais espaço a nenhum de seus produtos”, declarou o rapper.

Da Redacao