Mércio Gomes, queimado diante de indigenistas e indígenas, quer sair por cima, “deixando um
índio” à frente da FUNAI. Para que?
Só para deixar mesmo. Pois a mentalidade do governo (como o próprio Megaron adverte) é o maior problema, e ela e sua política correlata não mostra sinais de mudanças.
Ao contrário, Lula vai mesmo tratar os movimentos indígenas como “entraves”. E como já antevê muitas mobilizações de protesto (Abril Indígena vem aí), está se saindo com essa. Se Mércio Gomes queria mesmo tratar da possível entrada de um indígena para comandar a FUNAI, porque não chamou para conversar os coordenadores das organizações indígenas legitimadas no país?
Aí tem…
Megaron é atualmente um dos pouquíssimos líderes indígenas conhecidos nacionalmente e
internacionalmente (existem muitos e bons, mas que não conseguiram a visibilidade de Megaron).
Então, é o ator perfeito para mais um show de marketing – como foi show usar o ator Fidelis
Baniwa na propaganda eleitoral.

Florêncio Vaz