Brasília – O relatório da Comissão instituída pelo reitor Timothy Mulholland para apurar a prática de crime de racismo por parte do professor Paulo Kramer (foto), já está nas mãos do procurador José Weber Holanda, da Procuradoria Jurídica da Universidade.
Kramer, do Curso de Mestrado do Instituto de Ciências Políticas da Universidade, é acusado por alunos de, em sala de aula no início do ano passado, ter se referido depreciativamente aos negros como “crioulada”. Ele disse que não teve a intenção de ofender, porém, diante da reação dos estudantes, teria acusado um deles – Gustavo Amora – de “negro racista”, membro da “ku klux klan negra”, entre outras expressões consideradas ofensivas.
A Comissão presidida pelo professor Alexandre Bernardino, do Departamento de Direito, foi formada em julho do ano passado, por decisão do reitor. Deveria ter concluído os trabalhos em 30 dias, prorrogáveis por igual período. Além de Bernardino, fizeram parte da Comissão os professores José Leonardo e Carla Costa Teixeira, respectivamente, dos Departamentos de Física e Antropologia.
A Assessoria de Comunicação não soube informar quais as recomendações apontadas no relatório, apenas que, após o parecer do procurador Holanda, o documento será enviado ao reitor para decisão final. Se considerado culpado, Kramer pode ser punido com advertência, suspensão ou exoneração dos quadros da Universidade.
Além do processo administrativo disciplinar, Kramer também é alvo de um Procedimento de Investigação Preliminar (PIP), instaurado pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios para apurar o caso.

Da Redacao