S. Paulo – A liberdade de culto está ameaçada no Brasil? Lideranças negras e de entidades da sociedade civil de diferentes religiões, bem como ativistas dos direitos humanos acham que sim e lançarão nesta quinta-feira, dia 15/12, no Tuca – Teatro da Universidade Católica da PUC/SP,às 20:00 hrs, uma Campanha Nacional pela liberdade de culto e diálogo entre as religiões. O ato de lançamento será também de desagravo ao Secretário de Justiça e Defesa da Cidadania, Hédio Silva Jr., que tem sido perseguido pela Igreja Universal por defender a liberdade de culto.
A decisão pela campanha foi tomada em encontro que reuniu lideranças expressivas do Movimento Negro paulista, como Hélio Santos, Kabengele Munanga, Deise Benedito, Cida Bento, Edna Roland, entre outros, e lideranças do Rio, como Wania Santana e o jornalista Márcio Alexandre, que discutiram os desdobramentos da ação movida pelas religiões de matriz africana contra as Redes Record e TV Mulher pelo direito de resposta aos ataques que essas religiões vêm sofrendo sistematicamente por parte da Igreja Universal proprietária das duas emissoras.
A Justiça deu ganho de causa na ação impetrada por Hédio pelo CEERT, antes de assumir a Secretaria de Justiça, pelo Intecab e pelo Ministério Público Federal e, no mês passado, o Tribunal Federal Regional da 3ª Região derrotou por três votos a zero o recurso da Record. Inconformada a Record recorreu e o bispo Edir Macedo, chefe da Igreja, passou a perseguir Hédio.
A campanha que será lançada pretende sensibilizar a sociedade brasileira para o respeito à liberdade de culto e para a necessidade de uma cultura de diálogo e paz entre as religiões. No entendimento das lideranças, a postura da Universal que faz campanha sistemática contra as religiões de matriz africana, é uma ameaça à liberdade de culto no Brasil, o que representa na prática, uma afronta aos próprios valores democráticos.
Para o ato desta quinta-feira, que terá caráter ecumênico, serão convidados representantes de todas as religiões. O desagravo ao Secretário de Justiça se explica pelo fato de que, no entender das lideranças, o que a Universal quer destruir ao fazer campanha contras religiões de matriz africana é o direito à liberdade de culto.
O jornal Folha Universal, cuja linha editorial é ditada pelo bispo Edir Macedo vem dedicando uma série de matérias com ataques. O bispo, segundo se sabe, tem agido também nos bastidores e insuflado os fiéis usando as redes de TV – que são concessões públicas contra Hédio – que, na condição de Secretário da Justiça, é uma autoridade do Estado.

Da Redacao