São Paulo – A comunidade negra de Camburi, em Ubatuba, Litoral Norte de S. Paulo, passou a ser a partir desta semana, mais um Quilombo reconhecido, segundo decisão do Governo do Estado, publicada anteontem no Diário Oficial. Com a decisão o Incra poderá demarcar, desapropriar e dar posse coletiva às cerca de 50 famílias que vivem no local.
Atualmente existem 35 comunidades quilombolas no Estado de S. Paulo, 30 das quais na região do Vale do Ribeira, porém apenas cinco tem o título das terras. Só em Ubatuba são três, além de Camburi: Caçandoca, Cazanga e Poruba.
O estudo antropológico que permitiu o reconhecimento da área, de acordo com o Itesp (Instituto de Terras do Estado de S. Paulo) estava pronto havia cerca de três anos, faltando apenas à concordância dos próprios moradores da comunidade quilombola.
Segundo o antropólogo Luis Roberto de Paula, responsável pelos estudos para o reconhecimento de Camburi, as pessoas ainda se espantam ao ouvir falar de comunidades quilombolas presentes e atuantes nos dias de hoje.
O coordenador regional do Itesp, José Roberto Andrion, disse que, sem o consentimento dos moradores, o processo não poderia ter sido levado adiante.
Com o reconhecimento, o Itesp poderá implantar projetos de infra-estrutura, educação e ecoturismo na comunidade.

Da Redacao