S. Paulo – O Núcleo de Preservação da Memória Política do Fórum Permanente de ex-Presos e Perseguidos Políticos de S. Paulo e o Memorial da Resistência de S. Paulo, promovem neste sábado, a partir das 14h, mais um “Sábado Resistente”, com o objetivo de resgatar e preservar a memória história de todos os que lutaram pela liberdade e a Justiça no Brasil.
Os “Sábados” são um espaço de discussão entre militantes de diversas causas, de ontem e de hoje, pesquisadores, estudantes e interessados em geral no debate sobre temas ligados às lutas contra a repressão, em especial à resistência ao regime civil-militar implantado com o golpe de Estado de 1964 e também tem como objetivo central estimular a discussão e o aprofundamento dos conceitos de Liberdade, Igualdade e Democracia, fundamentais ao ser humano em busca de sua libertação.
Luta negra
Neste sábado, o tema do debate será “A Luta dos Negros, Resistência e Democracia” e os debatedores convidados são Dojival Vieira, jornalista responsável e Editor de Afropress, e Luiz Carlos dos Santos (foto), também jornalista, professor universitário, consultor do Museu Afro-Brasil e militante do Movimento Negro.
Segundo presidente do CONDEPE (Conselho de Defesa da Pessoa Humana do Estado), Ivan Seixas, apesar de o povo brasileiro ter uma história cheia de heróis e mártires, “a história oficial sempre destrói e omite a participação popular.
“Os homens e as mulheres negras que fizeram a história de nosso país nunca tiveram seu papel e importância reconhecidos”, afirma.
Ivan destaca que a luta anti-racismo, de resistência cultural e por direitos plenos são grandes marcas da população pobre e negra do Brasil, que se confundem constantemente.
“As classes dominantes não permitem que se conte a verdade histórica. Não por acaso, o Almirante Negro João Cândido até hoje não é reverenciado como herói de nosso povo e de nosso país. Muitos outros são escondidos como coadjuvantes quando tiveram importância fundamental para o Brasil. Os anos de luta contra a ditadura civil-militar não foram diferentes e vários homens e mulheres de ascendência africana se destacaram por sua bravura, determinação política e coerência ideológica”, acrescenta.
A programação do “Sábado Resistente”, que acontece no Auditório Vitae – 5º andar, do Memorial da Resistência de S. Paulo, no Largo General Osório, 66 – Luz, começa às 14h, com Boas-Vindas da coordenadora do Memorial, Kátia Felipini; em seguida o ex-preso político, jornalista e escritor Alípio Freire, diretor do Núcleo de Preservação da Memória Política, fará a apresentação e coordenação dos debates.

Da Redacao