Salvador – Com a presença de lideranças e intelectuais negros da Bahia foi lançado nesta sexta-feira (16/12), no Centro Oxalá, do Centro de Convenções da Boca do Rio, em Salvador, o primeiro Centro Internacional de Estudos Avançados sobre Brasil, África e as Diásporas (CIEABAD).
O Centro será formado por pesquisadores brasileiros, africanos, caribenhos, europeus e indianos com o objetivo de estudar os assuntos africanos contemporâneos, as relações entre o continente africano e suas diásporas e as relações raciais pelo mundo.
O CIEABAD contará com diversas linhas de pesquisas, que vão desde análises do Brasil contemporâneo até estudos sobre governança e democracia na África, e terá a participação de respeitados intelectuais, internacionais e brasileiros, nas comissões de trabalho. Entre estes últimos se encontram a professora Ivete Sacramento (UNEB), primeira reitora negra do Brasil; o antropólogo congolês radicado no Brasil, Kabenguele Munanga (USP); Hélio Santos (USP), autor do livro “Em Busca de um Caminho para o Brasil”; Sueli Carneiro, diretora do Instituto Geledés, e Maria Aparecida Bento, diretora do Centro de Estudos das Relações do Trabalho e Desigualdades.
Segundo o professor cubano Carlos Moore, que vive há sete anos exilado no Brasil por sofrer perseguição racial em seu país, o Centro levou vários anos para ser montado por causa da quantidade de pesquisadores que estarão envolvidos nele de maneira orgânica – cerca de 1500 em quatro continentes, representando 850 instituições de pesquisa em todo o mundo.
“A idéia é federar todos esses pesquisadores sob uma organização científica incumbida da tarefa de sintetizar as conclusões derivadas das diversas pesquisas mundiais sobre os seguintes temas: o desenvolvimento do continente africano no século 21; a situação das populações diasporicas através do mundo; as relações raciais em nível do planeta. Com efeito, se trata de uma gigantesca empresa humana que irá requer muitos anos de trabalho para chegar ao nível de funcionamento que almejamos”, afirma Moore.
Durante o lançamento do Centro, Moore também autografou o livro “Racismo & Sociedade: novas bases epistemológicas para entender o racismo”, da Editora Mazza, de Belo Horizonte. O livro faz uma análise histórica do racismo no mundo, fruto da experiência de décadas de pesquisas e viagens de Moore.

Da Redacao