Brasília – O exame de sanidade mental a que será submetido o estudante do Curso de Letras da Universidade de Brasília (UnB), Marcelo Valle Silveira Mello, 20 anos, acusado por crimes de racismo pelo Ministério Público de Brasília sai em 90 dias. O interrogatório de Mello previsto para a última segunda feira, 23/01, no Tribunal de Justiça foi adiado porque os advogados de defesa entraram com o incidente de sanidade mental, suspendendo o processo.
O processo ficará suspenso até que a perícia determine se o estudante sofre ou não das faculdades mentais. Nestes casos, a lei prevê que o exame seja realizado em, no máximo, 90 dias – 45 prorrogáveis por 45.
Na segunda-feira, o Promotor Marcos Antonio Julião recebeu em audiência o jornalista Dojival Vieira, responsável pela Afropress e mais uma equipe do jornal Irohin (A Notícia, em Yourubá), formada, entre outros, por Edson Cardoso e pela repórter Ana Flávia.
Eles conversaram longamente com o promotor Julião sobre os próximos passos do processo. Segundo o promotor o incidente de sanidade mental impetrado pela defesa não altera o curso do processo, apenas o suspende temporariamente. O estudante é acusado por três delitos punidos pela Lei 7.716/89, com penas que variam de 2 a 5 anos.
Tanto Dojival quanto Cardoso lembraram ao promotor que a alegação de insanidade mental deixa a Universidade de Brasília em situação extremamente delicada, caso seja comprovada nos exames. “Como é possível que um dos mais rigorosos Vestibulares do país tenha aprovado alguém nestas condições. Com a palavra a reitoria da Unb”, afirmou Dojival.
O jornalista Responsável pela Afropress informou ao Promotor que embora tenha mudado de provedor – a terceira num espaço de seis meses – os ataques racistas a Afropress continuam diariamente sem, no entanto, conseguirem tirar a Agência do ar.
Nesta quinta-feira, 26/01, os jornalistas Dolores Medeiros e Dojival depuseram no inquérito aberto pelo GRADI – Grupo de Repressão aos Delitos de Intolerância a pedido do Ministério Público – que apura a autoria das ameaças – inclusive de morte – encaminhadas a ambos por intermédio da Internet.

Da Redacao