S. Paulo – Mesmo com o genocídio que começou com a descoberta do Brasil há 514 anos, os indígenas brasileiros ainda correspondem a 896,9 mil habitantes, 36,2% dos quais vivendo em área urbana e 63,8% na área rural, de acordo com o Censo do IBGE 2010. Só em S. Paulo, a população é de 41.794 habitantes, de acordo com o Censo, na sua maioria (37.915) vivendo em cidades. Eles representam 0,1% da população do Estado.

As terras indígenas estão localizadas em várias regiões, havendo uma concentração maior no Litoral e Vale do Ribeira. Lá vive o povo Guarani Mbya e Tupi-Guarani (Ñandeva). Os Kaingang, juntamente com os Terena, Krenak, Fulni-ô e Atikum, ocupam três terras indígenas na região oeste do Estado.

Segundo a professora Elisa Lucas Rodrigues (foto da capa) que chefia a Coordenação de Políticas para as Populações Negra e Indígena da Secretaria de Justiça do Justiça, dessa população, 6.497 estão em comunidades e 4.887 em áreas indígenas, distribuídos em 60 aldeias – 58 em áreas indígenas e 02 em áreas urbanas.

A Coordenação dirige o Comitê Intersetorial de Assuntos Indígenas (CIAI), que é composto pela Fundação ITESP, pelas Secretarias do Governo, Procuradora Geral, Universidade de S. Paulo, Universidade de Campinas, Unesp, Unifesp, Universidade Católica de S. Paulo (PUC) e Conselho Regional de Psicologia – 6ª Região.

Para refletir sobre a realidade indígena em S. Paulo, e lembrar o Dia do Índio – que é celebrado em 19 de abril – a Coordenação promoverá na próxima terça-feira, 29, o Encontro Ser e Viver Indígena em S. Paulo, que reunirá os integrantes do Comitê Intersetorial, sociedade civil, representantes da FUNAI (Coordenação Regional do Litoral Sudeste).

Estima-se que só na capital existam cerca de 35 nações indígenas, na sua maioria vivendo nas áreas periféricas da cidade, como o Real Parque, favela próxima ao Morumbi, na Zona Sul da cidade, onde vivem os Pankararus, que migraram de Pernambuco para S. Paulo a partir da década de 1.940 para ajudar na construção do Estádio do Morumbi. O número estimado do grupo é de 1.500 pessoas.

Legado indígena

O Encontro acontecerá no auditório Franco Montoro, Páteo do Colégio, entre às 15h e as 17h30. Segundo a professora Elisa Lucas Rodrigues (foto da capa), existem no Estado, 28 aldeias em áreas reivindicadas, 30 em áreas declaradas, homologadas ou regularizadas, que se estendem por uma área declarada de 45,195 hectares.

Elisa lembra que a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado (CDHU) foi contemplada este ano no Fórum Nacional de Habitação com o Selo de Mérito 2014 durante o 61º Fórum Nacional de Habitação, na categoria Atendimento a Grupos Sociais Específicos com o Programa Moradia Indígena.

“O Moradia Indígena foi desenvolvido para garantir melhores condições de vida à população residente em terras demarcadas pela União, no Estado de São Paulo. Prevê a substituição de habitação existente por unidade habitacional nova, em tipologias adequadas, de acordo com as necessidades das comunidades indígenas localizadas na capital, interior e litoral”, afirmou Elisa.

Aldeias indígenas

Segundo o presidente do CDHU, Milton Dallari, até o momento já foram construídas moradias em aldeias de Avaí, Braúna, S. Paulo, Arco-Íris, São Sebastião, Itariri, Peruíbe, Ubatuba e Mongaguá.  "A escolha da tipologia definitiva é debatida com os representantes das aldeias e aberta para sugestões e alterações, respeitando sempre os hábitos e costumes dos povos indígenas", conforme explica Dallari.

O Censo do IBGE 2010 identificou 305 grupos étnicos no Brasil, sendo o maior deles, o grupo Tikúna, com 6,8% da população indígena do país. Também foram identificadas pelo Censo274 línguas indígenas. Dos indígenas com 5 anos ou mais de idade 37,4% falavam uma língua indígena e 76,9% falavam português.

 

Veja o trailer do documentário "S. Paulo: A Terceira Margem Pankararu"

http://youtu.be/zfEbGSs4yXA

Crédito das fotos: Comissão Pró-Indio de SP

Confira a programação do Ser e Viver Indígena em S. Paulo

Data: 29/04/2014

Horário: 15h as 17h30

Local: Auditório Franco Montoro

Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania

Páteo do Colégio, 184 – Sé.

Programação:

14h – Recepção dos convidados e cofee-break com Canto e Dança Povo Pankará – não aldeiados

15h – Mesa de Abertura com autoridades

15h15 – Apresentação Cultural

– Coral Indígena de Miracatu;

– Grupo de Teatro Tenoderan  da Aldeia Ribeirão Silveira – 18 integrantes

Apresentação: Criação do Mundo segundo a Metodologia Guarani

15h30 Apresentação das Secretarias (10 minutos cada uma)

a)    Apresentação da Secretaria da Cultura sobre Políticas Pública Indígena – Coordenador da ACGE – Sr. Cássio Rodrigo

b)   Apresentação da Secretaria de Habitação/CDHU, sobre o Programa de Moradias Indígena, (no último dia 26/03 a CDHU, recebeu o “Selo de Mérito 2014” em duas iniciativas). Durante o 61º Fórum Nacional de Habitação, a Companhia foi vencedora na categoria "Atendimento a Grupos Sociais Específicos" com o Programa "Moradia Indígena".

c)    Apresentação da Secretaria de Agricultura – CATI do Programa Microbracias II – para os Povos Indígenas – Sr. Abelardo Gonçalves;

16h – Palestra “SER e Viver Indígena em São Paulo”

Fernando Macena de Lima- Indigenista Especializado da FUNAI CTL/SP

16h20 – Professores e Lideranças indígenas falarão sobre o tema

Professora Chirlei Pankará – Mestranda da PUC – SP

Vice- Diretora Escola da Aldeia Tekoa Pyau – Jaraguá/SP

17h – Perguntas do público

17h30 – Encerramento

Da Redacao