S. Paulo – Realizar um trabalho permanente visando preparar a juventude, não apenas para enfrentar as dificuldades no mercado de trabalho em um momento de crise como o atual, mas também para superar as dificuldades criadas pelo racismo e pela discriminação, são os objetivos da Secretaria da Juventude que acaba de ser criada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Prestação de Serviços de Asseio e Conservação e Limpeza Urbana (Siemaco) de S. Paulo.

Segundo Daniela Gomes de Sousa, responsável pela Secretaria, criada após a realização de um seminário com sobre Trabalho Decente e Juventude, em dezembro passado, levantamentos feitos pela direção do Sindicato, constatou que 70% da base da entidade é constituída por negros.

“Vamos discutir temas como trabalho decente e as questões relacionadas à discriminação que atinge muito fortemente a juventude. O desemprego, por exemplo, atinge predominantemente a juventude. Precisamos trabalhar com a juventude porque a gente não é o futuro, é o presente”, afirma.

Ela agradeceu a confiança do presidente da entidade, Moacyr Pereira, e disse que com a criação da Secretaria o sindicato renova o compromisso com a juventude trabalhadora. “Queremos conhecer cada um dos jovens da nossa base, os seus desejos, as angústias e o que querem que esse departamento faça. Eu conto com todos para mais essa vitória, mais essa conquista", salientou.

Daniela acrescenta que uma das principais estratégias da nova Secretaria será proporcionar conhecimento aos dirigentes. “Vamos também fazer levantamentos para saber quantos negros temos na nossa base, quantas mulheres”, assinala.

De acordo com estudos já realizados pela direção da entidade entre 38% e 50% da categoria é constituída por jovens. “No nosso segmento, infelizmente, o preconceito ainda é muito grande. O jovem, principalmente, os negros estão nas periferias. Precisamos quebrar esses paradigmas”, finaliza.

Da Redacao