“Segurança Pública no Estado de São Paulo”, é o tema do debate promovido pela Negritude Socialista paulista, nesta quinta-feira (14/10) a partir das 19h. O debate contará com a participação do Ouvidor da Polícia, Eliseu Soares, do advogado e jornalista editor de Afropress, Dojival Vieira; do capitão da Polícia Militar do Estado da Bahia, Silvio Conceição do Rosário, e do secretário estadual da NSB-SP, Anderson John.

A mediação será feita pelo secretário geral da NSB-SP, Arlindo Felipe Jr, que defende a realização de debates com diferentes atores que possam contribuir com propostas para a elaboração de um plano de segurança púbica para o Estado de São Paulo.

Uma pessoa negra no Brasil tem 2,6 mais de ser assassinada do que uma pessoa não negra, ou seja, a taxa de violência letal contra pessoas negras foi 162% maior que entre não negras, mostra o Atlas da Violência.

Conforme o Atlas, em quase todos os estados brasileiros, um negro tem mais chances de ser morto do que um não negro, com exceção do Paraná e de Roraima que, em 2019, apresentaram taxa de homicídios de não negros superior a de negros.

Mulheres negras

O estudo aponta, ainda, que 66% do total de mulheres assassinadas no Brasil são negras, com uma taxa de mortalidade por 100 mil habitantes de 4,1, em comparação à taxa de 2,5 para mulheres não negras.

O Atlas indica também que, em 2009, a taxa de mortalidade entre mulheres negras era de 4,9 por 100 mil, ao passo que entre não negras a taxa era de 3,3 por 100 mil. Um pouco mais de uma década depois, em 2019, a taxa de mortalidade de mulheres negras caiu para 4,1 por 100 mil, redução de 15,7%; e entre não negras para 2,5 por 100 mil, redução de 24,5%.

ACOMPANHE O DEBATE

https://www.facebook.com/watch/live/?ref=watch_permalink&v=668178014144074