São Paulo/Salvador – Dois anos e meio depois de ser lançada e sair do ar em S. Paulo, para reaparecer em Salvador, com direito à sessão solene na Câmara Municipal, mas onde também jamais foi vista com programação própria, a TV da Gente, do empresário José de Paula Neto, Netinho, paralisou não apenas a sua linha de produção, mas as transmissões nos canais 180 da TVA digital (SP) e Canal 57 UHF (Bahia).
A produtora Rita Vieira, da RV Produções, que havia sido incumbida pelo empresário de organizar a grade da programação, disse que Netinho não a procurou mais e não demonstrou interesse na renovação do contrato encerrado em agosto. “É uma pena porque teríamos uma TV mais plural. Mas não houve essa possibilidade e só com o coração não funciona”, afirmou Vieira.
A Assessoria de Imprensa de Netinho foi procurada por duas vezes pela Afropress para confirmar se isso representa o fim do projeto da TV, porém, não retornou as ligações. O responsável pela programação, em S. Paulo, Gil Latoreira, entretanto, confirmou que a programação – mesmo a que vinha sendo repetida – não está mais indo ao ar.
Sem contato
A produtora RV Produções, da empresária Rita Vieira, foi contratada por Netinho logo que o projeto começou a naufragar em S. Paulo. Ela é mulher do apresentador Jorge Portugal, que tem um programa semanal na TV Bahia, afiliada da Rede Globo – o Aprovados – voltado ao público jovem. Os contatos começaram no ano passado, quando o cantor encerrou a produção de programas e demitiu os últimos jornalistas que mantinham contrato com a emissora, como Adyel Silva, Wagner Prado e Cláudia Alexandre, entre outros. “Não temos mais nenhum contrato. Ele (Netinho) não ligou mais”, acrescentou.
No lugar do canal 57 UHF – que deveria transmitir a grade da TV da Gente – está no ar a Rede Vida. Em julho passado, diante dos rumores de que a TV havia acabado, a produtora anunciou à imprensa, que a fase de produção da grade dos novos programas estava em pleno andamento. Garantiu que a TV entraria no ar a partir de setembro e adiantou alguns de programas da grade, entre os quais um ligado à Educação – “Tô sabendo” -, que seria dirigido pelo cineasta Lázaro Farias, da Axé Filmes -, e outro voltado à questão racial, sob a direção do ativista e professor de Comunicação, Fernando Conceição. “Estamos na fase de pré-produção. Os pilotos estão praticamente prontos. Devemos entrar no ar a partir de setembro”, disse na ocasião.
Pesadelo
O fim do sonho de uma TV voltada à pluridade étnico-racial brasileira, como se anunciava a TV da Gente, começou em fevereiro de 2.006, três meses após o lançamento ocorrido no dia 20 de Novembro, em evento que teve a presença do ex-governador e candidato tucano a Presidência da República, Geraldo Alckmin, do então, presidente da Câmara Federal, Aldo Rebelo, e da ministra Matilde Ribeiro.
Alegando falta de recursos e desacordos com o empresário deputado Celso Russomano, de quem alugou as instalações no bairro da Casa Verde, em São Paulo, Netinho fez as primeiras demissões de profissionais. Na época, ainda transmitia com sinal cedido pela Rede Bandeirantes de Televisão.
Alguns meses depois foram feitos mais dois grandes cortes de profissionais, com a redução drástica da equipe formada inicialmente por cerca de 200 pessoas, até que, em dezembro do ano passado, foram demitidos os titulares dos últimos programas.

Da Redacao