Agora com um provedor mais seguro e com as demais providências adotadas continuaremos o trabalho iniciado há cerca de um ano e com o compromisso de melhorar cada vez mais a cobertura.
O ataque que, à princípio, parecia ser apenas uma pane, foi finalmente desvendado graças ao trabalho da jornalista Dolores Medeiros, Coordenadora da Agência que, com base em informações fornecidas pelo provedor anterior, rastreou os passos do delinqüente que nos atacou até identificá-lo, por intermédio do seu endereço eletrônico. Trata-se do mesmo já apontado pelo Ministério Público de S. Paulo, como responsável por mensagens racistas na comunidade do Orkut.
Os esforços do Ministério Público de S. Paulo e do Distrito Federal, tendo à frente das investigações os promotores Christiano Jorge Santos e Marcos Antonio Julião, tornaram possível, em especial, numa ação deste último, a apreensão dos computadores, disquetes e outros materiais no apartamento do estudante da UnB, na última sexta-feira, dia 05/08. Flagrado na prática dos seus crimes ele será agora formalmente denunciado, esperamos que processado com base na Lei, e condenado. Racismo é crime e quem o pratica e faz a apologia do ódio racial precisa saber que tem de responder perante a lei penal brasileira.
A sabotagem ao trabalho sério e dedicado que temos desenvolvido, além de um atentado à liberdade de expressão e de pensamento é uma violência que precisa ser exemplarmente punida; atinge a todas as pessoas que rejeitam o racismo e parte de pessoas e grupos racistas incomodados com a nossa ação firme na denúncia dos deliquentes que pretendem se esconder sob o suposto anonimato da Internet para a prática de crimes.
Não nos calarão, nem nos intimidarão. Ao contrário: estamos voltando com força e ânimo redobrado. Não daremos trégua. Os racistas que pretendem se esconder no anonimato da Internet, ou por qualquer outro meio – estejam onde estiverem – serão denunciados, localizados, processados e punidos na forma da Lei. As investigações do MP/SP já demonstraram que isso é possível. Desde o início do ano, cinco destes criminosos foram identificados.
A identificação dessa corja criminosa e covarde desmente a tese de que seria impossível puni-los pelo crime considerado imprescritível e inafiançável pela Constituição brasileira. As condenações são apenas uma questão de tempo. Vamos seguir denunciando e encaminhando os casos as autoridades para que tomem as providências, não importa quem sejam, não importa onde estejam.
Queremos agradecer às inúmeras manifestações de apoio e solidariedade recebidas de todo o Brasil. A Afropress – a primeira Agência de Notícias brasileira que tem como foco a temática étnica e racial – seguirá denunciando e cobrando das autoridades que façam a sua parte, baseada no compromisso de fazer um jornalismo ético, sério e comprometido com a verdade e com a Causa do combate ao Racismo.
Dojival Vieira
Jornalista Responsável