Cidade Tiradentes/SP – A realização de uma Marcha para expressar a unidade do povo negro em torno de um Programa único de reivindicações e o lançamento de uma lista de candidatos, independente de Partidos, comprometidos com o Programa – a Lista Negra – foi a principal proposta surgida do debate que se seguiu ao Seminário “Abolição para quem? Desigualdade e Cidadania”, promovido pela Sub-Prefeitura da Cidade Tiradentes para marcar o 13 de Maio.
Segundo o jornalista Dojival Vieira, editor de Afropress, a proposta da Marcha em S. Paulo, em data a ser definida, que reúna todas as lideranças, entidades e organizações negras – independente de credo religioso, pensamento ideológico e partido político – pode contribuir para que a luta contra o racismo e a desigualdade racial no país ganhe novo impulso.
Por sua vez, a Lista de candidatos negros de todos os Partidos, evitará a dispersão que normalmente acontece em anos de eleição, quando a militância e ativistas negros se dividem no apoio a candidatos de diferentes partidos e a Causa do Combate ao Racismo e a desigualdade cede lugar à disputa eleitoral. “Pode ser também um grande instrumento para a eleição de uma bancada negra e de aliados comprometida com a superação do racismo no país, independente de partidos políticos, de crenças e de ideologias”, afirmou.
O Seminário, além de Dojival, que falou sobre “A realidade do escravismo e a situação do Negro no pós-Abolição”, contou com palestras da professora Márcia Araújo, que falou sobre “A Frente Negra Brasileira”, Marco Antonio Batista, que falou sobre “Mídia e Racismo” e do professor Geraldo da Silva, diretor da FATEC – Faculdade de Tecnologia de S. Paulo.
Na abertura do Seminário, que aconteceu entre as 10h e às 14h30, na Escola Técnica da Cidade Tiradentes, e teve coordenação de Rosângela de Paula, da Assessoria de Comunicação da Subprefeitura, foi apresentado um vídeo produzido pela ativista e cineasta Ângela Menezes. O professor Carlos Augusto dos Santos representou o sub-prefeito Arthur Xavier, que não pôde comparecer por ter compromissos fora do Estado.

Da Redacao