Brasília – A Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), vinculada à Presidência da República, afirma estar articulada com outros ministérios do Governo Federal para promover ações de combate à violência que atinge a juventude brasileira, em especial os jovens negros.
A manifestação da Secretaria, que é dirigida pela socióloga Luiza Bairros (foto), ocorreu à propósito da chacina dos seis jovens cariocas na Baixada Fluminense. Bairros divulgou Nota em que se solidariza com as famílias dos jovens mortos. Ela afirma que que Christian, Victor Hugo, Douglas, Glauber, Josias e Patrick não poderão usufruir conquistas como as ações afirmativas nas universidades, as oportunidades geradas pelas políticas de crescimento no mundo do trabalho e emprego, a participação da juventude negra na vida política do país em seu processo crescente de democratização”.
“Mortes como as desses jovens, no entanto, reforçam o compromisso da SEPPIR em efetivar a promoção de ações e programas capazes de valorizar a vida da juventude negra, reconhecer seus nomes, afirmar positivamente seus corpos, apoiar suas famílias, valorizar suas iniciativas, criar estruturas e políticas capazes de ampliar suas oportunidades nas áreas de educação, trabalho, cultura, esporte e ciência e tecnologia”, acrescenta a Nota.
Veja, na íntegra, a Nota divulgada pela SEPPIR à propósito da chacina dos seis jovens cariocas, na semana passada..
Nota Pública: Chacina no Rio de Janeiro
A Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) lamenta profundamente as mortes dos jovens Christian Vieira, Victor Hugo Costa, Douglas Ribeiro e Glauber Siqueira, Josias Searles e PatrickMachado e se solidariza com suas famílias.
A SEPPIR, em parceria com outros ministérios do Governo Federal, está articulada para promover ações de combate à violência que atinge a juventude brasileira, com notável vitimização da população negra. De acordo com o Mapa da Violência de 2011, entre os anos de 2002 e 2008, o número de vítimas brancas caiu 22,3% (de 18.852 para 14.650); enquanto o número de vítimas negras teve um crescimento de 20,2% (de 26.915 para 32.349).
Christian, Victor Hugo, Douglas, Glauber, Josias e Patricknão poderão usufruir conquistas como as ações afirmativas nas universidades, as oportunidades geradas pelas políticas de crescimento no mundo do trabalho e emprego, a participação da juventude negra na vida política do país em seu processo crescente de democratização. Mortes como as desses jovens, no entanto, reforçam o compromisso da SEPPIR em efetivar a promoção de ações e programas capazes de valorizar a vida da juventude negra, reconhecer seus nomes, afirmar positivamente seus corpos, apoiar suas famílias, valorizar suas iniciativas, criar estruturas e políticas capazes de ampliar suas oportunidades nas áreas de educação, trabalho, cultura, esporte e ciência e tecnologia.
Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República – SEPPIR-PR

Da Redacao