Seria a hora da casaca vermelha ser virada para o lado preto? É só esperar para ver.

O Titio tem, sabidamente um sem número de desafetos no movimento negro, por conta da minha oposição sistemática à vergonhosa adesão de grande parte da militância negra do Brasil ao aparelhamento político, caracterizado pelo apoio incondicional ao PT, por razões, a meu ver, claramente oportunistas. 

Pois bem, a SEPPIR, único ministério "negro" incumbido de questões relacionadas ao combate do racismo e outras demandas nesse campo tão tenso das relações sociais no Brasil – permitam-me dizer um ministério de atuação pífia e decepcionante, marcado muito mais pela defesa cega, pelega e subalterna do PT e seus governos – é o primeiro ministério citado como "bola da vez" por autoridades do governo e analistas políticos, entre os escolhidos para serem abolidos.

Bombástica e propagandística, vinda de um governo acuado por seus atos de gestão temerários e irresponsáveis, tardia e ainda sem base de apoio garantida no Congresso (o que significa prever que de algumas áreas se espera forte reação), esta intenção é suprimir 22.000 cargos comissionados, razão fundamental, acredita-se, para o apoio ao governo, da parte desses auto intitulados "líderes do movimento negro" que alegam certo apoio" petista à luta contra o racismo.

(A bem da verdade, esse peleguismo desmascarado, tática populista notória, contaminou também outras instituições do movimento social e de outras áreas de representação popular, como a dos sindicalistas da CUT, por exemplo.)

Muito curioso aqui, portanto, com a reação desses "líderes negros" (e de seus apoiadores) agora, diante dessa atitude do governo e do partido dos trabalhadores, tão eudeusados por serem, supostos adoradores da causa negra (o que se mostra agora, indisfarçável mistificação clientelista)

Será que manterão, estoicamente a sua fidelidade incondicional ao decaído governo Dilma ou correrão com os rabinhos entre as pernas para os braços da maioria dos brasileiros que gritam "_Fora, Dilma"?

Muito interessado em conhecer o futuro político desse notório pessoal, para quem o castigo está vindo a cavalo.

Nzambi sabe o que faz.
 

Spirito Santo