Rio – O texto de um convite de um redator desinformado e ou saudosita do período do escravismo, enviado pelo SESC Madureira, do Rio, para marcar o mês da “Consciência Negra”, está provocando a revolta e a indignação de lideranças negras.
No convite o SESC anuncia apresentação de “danças afro e café servido por mucama lembrando os áureos tempos coloniais”.
Para o historiador Rogério José de Souza (foto), Mestre da UFRJ, “idealizar e romantizar a escrividão e o trabalho escravo é algo que poderia ser dispensável em se tratando de uma instituição tão grande e de um mês tão importante”.
“Sinceramente não acreditei no que li a respeito da programação do SESC-Madureira, em função do 20 de Novembro – Dia Nacional da Consciência Negra”, afirma Paulo Roberto dos Santos, da Superintendência de Igualdade Racial, do Governo do Estado do Rio de Janeiro.
“Como lembrar ” tempos áureos” e ” café servido por mucamas” ? A organização do evento está totalmente divorciada dos fatos e das lutas sociais, sobretudo do Movimeto Negro, neste Brasil de 2009. Os organizadores refletiram a respeito do que estão propondo ? É um quadro de desinformação e alienação que, partindo da inciativa de uma instituição tão respeitada como o Sesc, choca e decepciona”, acrescenta.

Da Redacao