S. Paulo – O editor da Afropress – Agência Afroétnica de Notícias -, jornalista Dojival Vieira, foi um dos entrevistados do Programa Silvia Poppovic, levado ao ar nesta quinta-feira, às 21h pela TV Cultura. O programa abordou os crimes praticados na Rede Mundial dos Computadores, especialmente racismo e pedofilia.
Além do jornalista, estiveram presentes Roseane Gonçalves Miranda, do site Censura, a advogada Clarisse Pereira Nunes, de Florianópolis, cuja filha – uma garota de 13 anos – foi assediada por pedófilos na Internet, e Margarida Elizabeth Weiller, juíza de Amaurilândia, no Mato Grosso, cujo ex-marido está preso por prática de crimes de calúnia e difamação na Rede.
O advogado Renato Opice Blum, especialista em Direito Eletrônico, participou do programa esclarecendo aspectos relacionados à legislação e falou das medidas que devem ser adotadas junto à Polícia para a identificação e a punição desse tipo de crime.
Durante o programa, o jornalista, que preside a ONG ABC SEM RACISMO, relatou o caso do menor Caio, de 13 anos, que, em janeiro de 2.005, teve sua foto colocada em uma comunidade do Orkut por racistas com o apelo “vingue-se no pretinho”. A enfermeira Maria Aparecida Batista, mãe do garoto, e o irmão mais velho, Dante Batista, que levaram a denúncia a ONG e, posteriormente às autoridades, contaram o trauma sofrido pela família.
A partir da denúncia, os racistas passaram a ameaçar os dirigentes da ONG e da Afropress, inclusive interferindo no acesso a página da Agência, ameaças que estão sendo investigadas em inquérito que tramita na Delegacia de Crimes Raciais de S. Paulo e que estão sendo objeto de investigação também do Ministério Público Federal.
O Programa Silvia Poppovic é reprisado sempre aos domingos, às 13h30, pela TV Cultura de S. Paulo.

Da Redacao