S. Paulo – A entidade com maior presença negra em sua base – o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Prestação de Serviços de Asseio e Conservação e Limpeza Urbana (Siemaco) – lançou nesta quinta-feira (07/01), a campanha “Todos Juntos contra a Dengue, a Zika e a Chikungunya”. Segundo a diretoria da entidade, 70% da base é constituída por trabalhadores pretos e pardos. Pelo menos 15 mil estarão diretamente envolvidos na campanha.

A iniciativa, que aconteceu no auditório da entidade, contou com a presença do secretário municipal de Serviços, Simão Pedro e representantes das quatro empresas responsáveis pela Limpeza Urbana, trabalhadores e agentes sindicais.

Como parte da campanha, agentes ambientais e sindicais, receberam treinamento e se transformarão em multiplicadores de informação aos trabalhadores que atuam na rua fazendo a varrição, coleta e manutenção das ruas da capital.

A segunda fase começa nesta segunda-feira (14/01), durante o lançamento oficial no Estádio do Pacaembu, quando haverá a apresentação da identidade visual da campanha nos caminhões de coleta, equipamentos de varrição e uniformes, além de material de apoio, que será usado pelos trabalhadores.

Numa ação do Siemaco, acatada pelas empresas Ecourbis, Loga, Inova e Soma e pelas Secretarias Municipais de Serviços e Saúde, a campanha irá tornar os quase 15 mil profissionais da Limpeza Urbana  em multiplicadores contra o mosquito transmissor da Dengue, Zika Vírus e Chikungunya. Eles replicarão as informações diretamente à população enquanto desempenham as suas atividades laborais nas ruas da cidade.

“O nosso papel é reproduzir nas nossas bases de trabalho as melhores práticas para combater o mosquito e, juntos, envolver a comunidade na luta pela promoção da saúde da sociedade”, enfatizou a diretora geral do Siemaco, Márcia Adão. Também diretor do sindicato, Elmo Nicácio (Lagoa), enfatizou: “Está declarada guerra contra o mosquito. Ele não pode nos vencer!”.

Esforço conjunto

Parabenizando o sindicato pela iniciativa, que culminou  na mobilização conjunta, o Secretário Municipal de Serviços, Simão Pedro, considerou “fantástica a ação do sindicato, que muito mais do que defender direitos de uma categoria visa o bem-estar de toda a comunidade. “É um gesto nobre que ajudará a combater o mosquito, numa atitude cidadã do sindicato”, afirmou.

“Precisamos de ajuda”, salientou a coordenadora de vigilância e saúde (Covisa). Wilma Morimoto. Representando o secretário Alexandre Padilha, ela enfatizou que a notificação de identificação de larvas, mosquito e, sobretudo, suspeitas da Dengue, Zika Vírus e Febre Chikungunya são as a principais armas para o controle e combate contra o Aedes Aegypti.

Para o presidente da Amlurb (Autoridade Municipal de Limpeza Urbana), José Antonio Bacchim, a ideia é somar às ações já previstas pela prefeitura de São Paulo. “Buscamos o engajamento da população na luta contra o mosquito”.

Representando as quatro empresas de Limpeza Urbana envolvidas na campanha, o presidente da Ecourbis, Nelson Domingues, destacou: “Com orgulho fazemos parte dessa ação que irá vetorizar a informação entre a população. Essa campanha valorizará e engrandecerá os trabalhadores da limpeza urbana, que serão vistos com melhores olhos pela população”, concluiu.

É importante saber:

– O aedes aegypti prefere as zonas urbanas, domésticas e necessita de água para se reproduzir e sangue humano para se alimentar e contaminar as pessoas;

– O mosquito se reproduz em água parada, mas produtos químicos como água sanitária e sabão matam a larva, evitando o seu desenvolvimento;

– As larvas são depositadas em qualquer recipiente, de uma casa de ovo, um pneu a um buraco na calçada. A única forma de combater o mosquito é evitando água parada;

– lavar os recipientes duas vezes por semana basta para matar a larva, que não sobrevive fora da água;

– atenção aos pneus, que devem ser furados e guardados para não acumular água, às calhas, tocos de árvores e quaisquer objetos que possam acumulam água;

– a fêmea do aedes aegypti é capaz de contaminar até 400 pessoas durante o seu ciclo de vida;

– a dengue apenas é transmitida quando o mosquito pica uma pessoa infectada;

– em caso de suspeita de dengue (febre alta, dor entre os olhos, perda e paladar e apetite, tonturas, náuseas, vômitos etc) procure assistência médica com urgência;

– cabe à prefeitura, após a identificar os criadouros e doença tomar as medidas cabíveis para monitorar e excluir os focos.

Atenção: qualquer superfície que acumule água, independentemente do seu tamanho, pode tornar-se um criadouro do aedes aegypti. Cubra os ralos, descarte os pratinhos das plantas, cubra e vede os ladrões das caixas d’água, higienize os pratinhos onde os animais domésticos se alimentam e controle o descarte dos resíduos sólidos. Todos juntos poderão vencer a luta contra um mosquito!

 

 

 

Da Redacao