1) A deputada Janira Rocha não cometeu qualquer crime aos dar carona a ativistas cuja prisão foi decretada pelo Judiciário e que estão sendo procurados pela polícia, como parte da escalada autoritária que vivemos.

2) Os ativistas ajudados por Janira, até prova em contrário, tampouco cometeram quaisquer crimes. Ao contrário, estão sendo vítimas de uma perseguição por parte daqueles que querem criminalizar o direito de manifestação. 

3) De qualquer forma, quem deve responder pelos atos dos ativistas procurados são eles próprios. E não quem os ajuda num momento posterior ao suposto crime. Ou se quererá transformar cada cidadão num alcaguete da polícia? É essa a sociedade que se quer construir?

4) Democracia não é sinônimo de liberalismo. A história das lutas pela democracia não é só a história das lutas pela mudança da legislação pelos canais institucionais, tornando-a mais justa. É, também, o alargamento das liberdades, às vezes em lutas fora da institucionalidade. E isso ocorre não só em ditaduras, mas também em regimes democráticos.

5) Um exemplo. A ocupação de terras improdutivas continua sendo ilegal. Não está prevista na legislação, que privilegia a propriedade privada, ainda que a Constituição determine que a terra deva ter uma função social. Assim, as ocupações quase sempre têm como consequência uma decisão judicial de reintegração de posse. Mas, em muitos casos, servem como pressão para a realização da reforma agrária. E, nesses casos, devem ser apoiadas pelos democratas. 

6) Segundo exemplo. A famigerada Lei Geral da Copa proibia manifestações políticas nas imediações dos estádios. No entanto, desde que pacíficas, não haveria razão para deixar de realizar estas manifestações, mesmo que ferissem a lei injusta. Elas podiam ser ilegais, mas eram justas e legítimas.

7) Por fim, não só me solidarizo com a deputada Janira Rocha neste episódio, como convido todos os democratas a que façam o mesmo.

Cid Benjamin