S. Paulo – O Secretário da Cultura do Governo de S. Paulo, João Saiad, voltou de vez atrás na decisão de extinguir a Assessoria Afro, que trata das questões de gênero e etnia, criada em 1.982, no Governo Montoro. A Assessoria continuará vinculada ao seu gabinete, porém, sua responsável, Maria Aparecida de Laia, não continuará no cargo.
Saiad já decidiu trocar a titular e, inclusive, começou a sondar nomes, junto a assessores. No último dia 12/02, numa reunião articulada pela presidente da Comissão do Negro e Assuntos Anti-Discriminatórios da OAB, advogada Carmen Dora, Saiad mostrara-se inflexível na posição de desligar a Assessoria do gabinete. “A Assessoria não continuará ligada à minha pessoa, o que não significa diminuição de sua importância”, disse na ocasião.
O nome ainda não foi escolhido e uma das dificuldades é que o salário do responsável pela função é de apenas R$ 2 mil. Saiad disse que buscará um “assessor de sua escolha pessoal”, e cogitou, durante a reunião com lideranças, que ouvirá para isso, o Frei David Raimundo dos Santos, da Rede Educafro, a quem mencionou de forma elogiosa em vários momentos.
A Assessoria Afro mantém o Programa “Diversidade e Herança Cultural Afro-Brasileira”, que tem como como uma das atividades o Projeto “Quilombos Vivos”, gerenciado pela Associação dos Amigos das Oficinas Culturais (Assaoc).

Da Redacao