S. Paulo – Cidade fora da África com maior população negra do Planetaa e capital do Estado com maior população negra no país, S. Paulo é o retrato da desigualdade racial brasileira, segundo mostra Pesquisa do Observatório do Trabalho, órgão criado pela Secretaria do Trabalho do Município em parceria com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio -Econômicos (DIEESE), mantido pelas Centrais Sindicais.
Segundo a Pesquisa, que estuda o período de 2000/2007, no município de S. Paulo negros tem mais dificuldade de conseguir empregos do que os não negros e recebem menores salários. No período, o rendimento médio de negros caiu menos do que os não negros (14,7% contra 19,77% ), porém, no mesmo período, o salário de um negro correspondeu a apenas 49,75% do salário de um não negro: R$ 821,00, contra R$ 1.650.
No caso das mulheres negras, o Estudo do Observatório do Trabalho revela que no período foram o grupo que apresentou menor salário no mercado de trabalho paulistano. Enquanto o rendimento médio das mulheres não negras sou em média R$ 1.288,00, as mulheres negras receberam apenas 51% desse valor – R$ 660,00.
Cidade Negra
S. Paulo, capital, tem cerca de 3,3 milhões de pretos e pardos – 30,3% dos quase 11 milhões de habitantes. Em termos de população negra no mundo fica atrás apenas de Lagos, capital da Nigéria, que tem ceerca de 10 milhões, e do Cairo, no Egito, que tem 15,9 milhões. No Estado, a população afrodescendente, de acordo com a Fundação Seade chega a 12,5 milhões de habitantes, o que torna S. Paulo o Estado com maior população negra do país.
Desemprego
A pesquisa também revela que embora tenha havido, desde 2.005, queda no nível de desemprego na População Economicamente Ativa (PEA) – de 15,7% para 13,9% em 2007 – essa melhora não teve reflexos na população negra: embora representem 34,2% da População Economicamente Ativa, os negros correspondem a 40,4% da população desempregada.
No caso das mulheres a situação é pior: elas representavam em 2007, 16,7% da População Economicamente Ativa e 15,8% do total de ocupadas, mais representavam 22,3% do total de pessoas desempregadas no município de S. Paulo.
Segundo a Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílios (PNAD), 75% das mulheres negras não possui segundo grau completo, enquanto as não negras esse índice é de 57,2%.
.

Da Redacao