Itapecerica da Serra/S. Paulo – Com a presença do ator Sérgio Mamberti, da Secretaria de Identidade e Diversidade do Ministério da Cultura, representando o Ministro Gilberto Gil, do Adido Cultural de Angola, José Santos, dos deputados estaduais Simão Pedro e Vicente Cândido, ambos do PT e de autoridades locais, entre as quais, o Presidente da Câmara José Martins Filho e a Secretária de Cultura, Patrícia Cerqueira, foi inaugurado no último sábado, o primeiro terreiro de candomblé de matriz Angola/Kongo, que funcionará como espaço de preservação da cultura Bantu na região metropolitana da Grande S. Paulo.
O terreiro “Inzo Tumbansi Ia Nzambi Ngana Kavungu”, designação na língua Kimbundo, falada em Angola, que em português significa “Casa Pedaço de Terra do Deus Senhor Ráfia”, foi fundado há 25 anos, porém, em Itapacerica, além do espaço religioso desenvolverá atividades como oficinas e cursos sobre a culinária africana. “Será um espaço destinado à preservação das tradições religiosas e da cultura de influência Bantu”, explicou o sacerdote e jornalista Walmir Damasceno, Tata Katujavenesi. O jornalista é o representante brasileiro no Centro Internacional das Civilizações Bantu (Ciciba).
Durante a cerimônia, Damasceno entregou Títulos de Grande Benemérito da Cultura Afro-Brasileira a várias lideranças presentes, entre as quais, Cosme Félix, do Jornal Tribuna Afro-Brasileira e Dojival Vieira, Jornalista Responsável pela Afropress “pelos relevantes serviços prestados em prol da luta e promoção da igualdade racial, reconhecimento do candomblé de matriz Angola-Kongo, bem como a revalorização dos aportes culturais dos africanos e seus descendentes”.
A homenagem fez parte das comemorações dos 20 anos de fundação da Federação Nacional da Tradição e Cultura Afro-Brasileira (Fenatrab), entidade mantenedora do espaço.
Tata Katujavenesi destacou a importância da cultura africana e Bantu, em particular, na formação do Brasil e sua influência marcante no português falado no país, que pode ser notada em palavras como “samba”, “moleque” e outras, que são do idioma Kimbundo. “O Brasil tem alma Bantu”, afirmou.
O ator Sérgio Mamberti destacou a presença africana, não apenas na área da cultura, mas em todas as atividades e disse que o Ministério da Cultura e a Fundação Palmares pretendem ampliar o Programa “Pontos de Cultura”, em parceria com organizações e entidades da sociedade civil. Além do título de Grande Benemérito, Mamberti foi portador da mesma homenagem (uma placa com dizeres alusivos) ao Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que mandou mensagem.
Os deputados Simão Pedro e Vicente Cândido, também destacaram a importância das tradições de matriz africana e a Secretária de Cultura Patrícia Cerqueira contou que, Itapacerica está fazendo um trabalho de resgate da cultura negra. Ela destacou, especialmente, o resgate, no cemitério local, de restos mortais de homens e mulheres negros do período da escravidão e que hoje fazem parte do patrimônio e memória.
A cerimônia terminou na madrugada deste domingo com um culto e celebração de adeptos do candomblé de matriz Angola/Kongo.
Na foto ao lado :Tata Katuvanjesi e convidados.

Da Redacao