S. Paulo – O Tribunal Regional Federal da 3ª Região julgará nesta quarta-feira, 09/11, recurso interposto pela TV Record e Rede Mulher de Televisão contra a decisão judicial que concedeu direito de resposta às religiões de matriz africana, que vem sendo atacadas diariamente por bispos e pastores da Igreja Universal, proprietária das emissoras.
A decisão inicial, que poderá ser mantida, condena a Rede a exibir um programa de 01 hora durante sete dias e três chamadas em cada uma das emissoras.
A ação contra a Rede Record foi movida pelo Centro de Estudo das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT), pelo Instituto Nacional de Tradição e Cultura Afro-brasileiras (INTECAB) e Ministério Público Federal.
O programa de resposta já foi gravado e conta com a participação de sacerdotes e sacerdotisas das religiões de matriz africana, que usaram o espaço para propor o respeito à liberdade de crença e a defesa de uma cultura de paz, que resulte no diálogo constante entre todas as religiões.
Segundo a diretora executiva do CEERT, Cida Bento, é muito importante que o Tribunal mantenha a decisão de primeira instância. “É fundamental que tenhamos a chance de ver a nossa história, cultura e religião mostradas com dignidade que realmente possuem”.

Da Redacao