Brasília – Passados trinta dias, completados neste sábado (28/04), do atentado racista contra estudantes africanos da Universidade de Brasília, que tiveram seus apartamentos incendiados, enquanto dormiam, a Polícia Federal ainda não concluiu o inquérito para identificar os criminosos.
O delegado Francisco Serra Azul, que preside o inquérito aberto na PF, deve pedir a prorrogação do prazo de 30 dias para concluir a investigação. Também a Polícia Civil de Brasília instaurou inquérito igualmente não concluído.
Na Universidade, o reitor Timothy Mulholland, que abriu processo administrativo disciplinar, para apurar os responsáveis pelo crime, também não fala sobre o caso, segundo sua Assessoria de Comunicação.
Os estudantes africanos foram atacados na madrugada de 28 de março, uma quarta-feira, por volta das 4h da madrugada. As portas dos apartamentos foram incendiadas e os extintores de incêndio do primeiro e segundo andar do prédio foram esvaziados para impedir que o fogo fosse controlado.
Nos depoimentos à Polícia Federal, os estudantes apontaram cinco suspeitos pelo crime: os estudantes Wagner Guimarães, Roosevelt Reis e outros dois de nomes Francisco e Fredy, que já teriam se envolvido em hostilidades contra os africanos.

Da Redacao