S. Paulo – Ativistas do Movimento Brasil Afirmativo, da capital e de cidades da região metropolitana como Suzano, Itapecerica, Barueri e Santa Isabel, encerraram neste sábado (17/11), no Aristocrata Clube, os preparativos para a Parada Negra que acontece nesta terça-feira, a partir das 12h, na Avenida Paulista.
Num balanço da mobilização as lideranças presentes consideraram que as dificuldades para a definição de uma agenda unitária com os organizadores da IV Marcha não deverá ser problema, porque independente da vontade dos mesmos, todos farão na avenida a defesa da unidade e São Paulo verá a maior manifestação negra e anti-racista de toda a sua história.
“O Movimento Negro é plural. Não tem donos, como alguns pretendem. A despeito das agressões, da arrogância, da intolerância de certos setores que agem como se fossem donos do Movimento, mantemos nossa disposição para fazer a unidade. Quanto mais nos agredirem, como fazem alguns irresponsavelmente, mas vamos estender a mão para o diálogo e o entendimento. Nós do Movimento Brasil Afirmativo vamos para a Paulista com espírito de paz e unidade. Quem ganha com a nossa divisão são os racistas”, afirmou o jornalista Dojival Vieira, depois de ouvir o relato da recusa dos organizadores da Marcha a construírem uma agenda unitária.
A reunião contou com a presença do professor Eduardo de Oliveira, presidente de honra do Congresso Nacional Afro-Brasileiro (CNAB), que se colocou a favor da unidade de todas as correntes do movimento negro, independente de posições políticas, ideológicas, religiosas e partididárias.
Segundo os organizadores da Parada, a manifestação deverá se caracterizar pela presença expressiva de negros evangélicos. Os pastores João Adel e Daniela Zeidan, da Comunidade Pão da Vida, relataram a mobilização que levará milhares de negros evangélicos à manifestação. “Temos sede e fome de justiça”, disse o pastor Adel. Ele também comentou a agressividade dos setores do Movimento que se recusam ao diálogo. “Quanto mais baterem no Movimento Brasil Afirmativo, mais vamos crescer”, concluiu.

Da Redacao