Brasília – A Universidade de Brasília (UnB) mudará as regras do sistema de cotas para negros já para o vestibular 2.008. A seleção dos candidatos incluirá entrevistas pessoais, ao invés de ser feita mediante análise de fotografias. Na inscrição os candidatos também devem dizer se querem concorrer pelo sistema de cotas ou se pelo universal. No vestibular deste ano os candidatos concorreram por ambos. A Universidade foi a primeira instituição federal, no Brasil, a adotar o sistema de cotas para negros e indígenas.
As mudanças ocorrem depois do caso dos irmãos Alex e Alan Teixeira, gêmeos univitelinos – um dos quais foi barrado – na primeira fase da inscrição por ser mais claro -, o que acabou provocando a exploração da Rede Globo, Revista Veja e de toda a mídia que faz campanha contra as cotas e as ações afirmativas. A Veja chegou a fazer matéria de capa sobre o caso e a Globo, sob o comando de Ali Kamel, transformou uma matéria no Jornal Nacional, em editorial contra o sistema. No final, ambos puderam se inscrever, porém, nenhum dos dois passou no vestibular.
Segundo o reitor Timothy Mulholland, as mudanças aperfeiçoarão o sistema. “O tratamento por entrevista será mais digno e pessoal do que a fotografia”, afirmou.
Cota para indígenas
A Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) vai realizar o primeiro vestibular no Estado de São Paulo específico para indígenas. As inscrições devem ser abertas no início de novembro e as provas devem acontecer em fevereiro de 2008.
Os candidatos disputarão 37 vagas – uma para cada uma dos cursos de graduação oferecidos pela Universidade, além do número total de vagas. Em um curso como o de Engenharia, por exemplo, que tem 60 vagas, para o indígena aprovado será criada uma vaga extra – a 61ª. Não haverá cobrança de taxa de inscrição.

Da Redacao