S. Paulo – A UNEGRO – União de Negros pela Igualdade -, corrente de lideranças negras ligadas ao PC do B, saiu em defesa do vereador, empresário e apresentador do Partido, Netinho de Paula, acusado de usar notas fiscais de empresas com endereços fantasmas para justificar os gastos do seu gabinete na Câmara Municipal.
Para o coordenador da UNEGRO, historiador Edson França, “estamos diante de uma tentativa espúria de defenestrar da vida pública o negro mais bem votado na história do Brasil”. “Nunca é demais lembrar que Netinho de Paula recebeu – sob trinta intermináveis dias de perseguição e injúria da mídia paulista – sete milhões e oitocentos mil votos”, acrescentou.
Investigação
O vereador está sendo investigado pelo Ministério Público de S. Paulo porque cinco empresas contratadas pelo seu gabinete entre 2009 e 2010 não existem nos endereços declarados à Junta Comercial.
Em dezembro de 2009, ele apresentou Nota à Câmara no valor de R$ 5,9 mil, referente a serviços prestados pela empresa Paulo Sérgio Rodrigues. No registro da Secretaria da Fazenda a empresa aparece como sendo “comércio varejista de materiais elétricos, com sede na rua Antonio Florêncio dos Santos (zona leste). O endereço apontado é uma residência e de acordo com a Junta Comercial, a empresa está inativa desde 2008.
Afropress enviou pedido de entrevista ao vereador para que esclarecesse as denúncias, porém, ele não se manifestou.
Para França, porém, a empresa “Paulo Sérgio Rodrigues de Souza EPP” existe, atua na área de comunicação, o proprietário é um homem negro e está localizada na mesma rua”.
Ele justificou o não funcionamento no endereço, alegando que “a prefeitura trocou a numeração de vários imóveis nessa rua” e acusou a repórter Daniela Lima, da Folha de estar “sedenta por expor a “carne mais barata do mercado”, e de não ter tido “o cuidado de verificar essa possibilidade, não incomum nas periferias de São Paulo que cresce desordenadamente”.
Pano de fundo
França insinuou que as acusações contra o vereador devem-se ao fato dele ter disputado a direção da mesa da Câmara paulistana, e de sua vitória ter desbancado um grupo composto pelo denominado centrão e pelo PT, que juntos, há décadas, comandam o Legislativo. Ele disse que o pano de fundo das denúncias é o fato de Netinho ser um forte candidato nas eleições para a Prefeitura em 2012.
“Netinho de Paula é uma voz expressiva para a disputa que se avizinha em 2012. Está se formando um bloco político em São Paulo, sem a anuência do PT e do PSDB, que pode viabilizar uma candidatura a Prefeitura de um nome vindo dele, PSB, PDT, PR, PCdoB e, talvez, PMDB com a presença de Kassab, tem potencial de unidos eleger o próximo prefeito de São Paulo. Netinho, indiscutivelmente está no jogo”
O coordenador geral da UNEGRO propôs que se exija da Câmara de Vereadores de S. Paulo uma auditoria dos últimos cinco ou seis anos das prestações de contas dos vereadores. “Aí saberemos se ouve um erro excepcional da Casa em vazar uma informação sem lastro ou se há o jogo sujo da política e a explicitação da odienta face do racismo contra um político negro promissor”, concluiu.

Da Redacao