S. Paulo – O espírito da Parada Negra vai tomar conta da Avenida Paulista neste 20 de Novembro, quando as baterias das Escolas de S. Paulo convocadas pela UESP – União das Escolas de Samba Paulistanas – , engrossarem a V Marcha da Consciência Negra, convocada pela CONEN, UNEGRO, CNAB – entidades ligadas ao PT, PC do B e PMDB, respectivamente.
Os organizadores da Marcha pretendiam caracterizar o movimento como uma manifestação onde só deveriam caber palavras de ordem e reivindicações históricas da população negra. A proposta de ativistas do Movimento Brasil Afirmativo que defendem a ampliação da manifestação para toda a sociedade, com manifestações da arte e da cultura negra, além das bandeiras históricas, encontrou sempre forte resistência dos organizadores da Marcha, a ponto de ativistas do Movimento Brasil Afirmativo terem sido obrigados no ano passado a tirarem as camisetas da Parada Negra para subir ao carro de som.
A decisão da UESP de participar e engrossar o ato, entretanto, representa a abertura da manifestação que adquire caráter mais amplo.
Concentração
A concentração acontece a partir das 10h, no vão do MASP, na Avenida Paulista. De lá, depois do ato político e das falas das lideranças presentes – incluindo parlamentares e outros políticos dos partidos que apóiam o ato – os manifestantes, acompanhados das baterias das Escolas, caminharão pela Avenida Consolação até a frente do Teatro Municipal na Praça Ramos, centro de S. Paulo.
Segundo o assessor de Imprensa da UESP, Leandro Iamin, passam de 10 o número de comunidades do samba paulistano que confirmaram presença na manifestação. A cantora Paula Lima, que estará à noite do show na Praça da Sé organizado pela Secretaria de Cultura do Estado, já confirmou presença na manifestação.
De acordo com Iamin, além da cantora, estão confirmadas as presenças de artistas da MPB e do samba de S. Paulo, apresentações de rap, reggae e hip hop, durante o ato no Masp e ao longo da Avenida Consolação.

Da Redacao