Ituverava – O vereador Arnaldo da Silva (PDT), presidente da Câmara de Utuverava, cidade de 40 mil habitantes no interior de S. Paulo, está sendo acusado por uma colega da prática de crime de racismo, em plena sessão da Câmara.
Segundo a vereadora Elizabete Nunes Scapim (PTB), revoltado pelo fato dos vereadores não terem aceitado votar um projeto que pretendia apresentar, Silva, conhecido na cidade como “Pé de Pato”, passou a dar murros na mesa e a gritar ofensas racistas. “Ele me chamou de negra suja, encardida e vários outros nomes que nem quero repetir. Ele também ameaçou me bater, o que não aconteceu por pouco, graças a interferência dos demais”, contou a vereadora, que é mais conhecida na cidade como “Bete do Laboratório”.
A denúncia de racismo foi formalizada pelos vereadores na Delegacia de Polícia e esta semana será instaurado inquérito policial. O presidente da Câmara não foi preso em flagrante por ter desaparecido após a agressão.
A vereadora ofendida diz estar revoltada e psicologicamente abalada com o ocorrido. “É preciso que se faça alguma coisa, não podemos aceitar isso no Brasil. Espero que o Ministério Público, a polícia, a Justiça tomem providência”, afirmou.
Arnaldo da Silva tem 55 anos e foi eleito com 728 votos nas eleições passadas. Ele responde a dezenas de processos no Fórum de Ituverava, um dos quais envolvendo a compra de um diploma de professor. A ofensa racista será apurada também pelo Conselho de Ética da Câmara Municipal.

Da Redacao