Rio – Com o enredo Soy loco por ti America – A Vila canta a latinidade – a Escola Unidos de Vila Izabel conquistou seu segundo título de campeã em 60 anos de história. A segunda colocada, a Grande Rio, obteve a mesma pontuação. O quesito samba-enredo deu a vitória à Vila.
Na prática, a Grande Rio só não foi campeã por ter perdido 0,2 ponto por ter atravessado a avenida em 81 minutos, um a mais do que o permitido pelo regulamento. A Caprichosos de Pilares e a Acadêmicos da Rocinha foram rebaixadas.
Para fazer um carnaval considerado pelos jurados tecnicamente perfeito, a Vila Izabel teve o patrocínio do Governo Hugo Chávez, Presidente da Venezuela, através do apoio da estatal do Petróleo – a PDVSA, responsável pela remessa de US$ 1 milhão.
Chávez chegou a cogitar sair como destaque da Escola, o que só não ocorreu por problemas de agenda do presidente venezuelano. Segundo o presidente da escola, Wilson Vieira Alves, o Moisés, o patrocínio da PDVSA foi fundamental para que a Vila Isabel trouxesse “alegorias ricas” falando sobre a integração cultural dos povos latinos.
Além de um Comissão de Frente com componentes fantasiados de bananas (uma sátira as ditaduras da América Central, que produziam bananas para a multinacional United Fruit Co.) a Vila apresentou como primeiro carro alegórico “Esplendor do Império do Sol”, em homenagem ao Império Asteca.
No segundo carro – “Senhor do Sipan – o Império Inca, os integrantes desfilaram vestidos de lhamas, lembrando a cultura de países andinos. O carnavalesco Joãozinho Trinta, 72 anos, recuperando-se de um derrame, desfilou numa cadeira de rodas.
A escola nasceu em 1946, de um bloco conhecido como Vermelho e Branco. O afastamento de alguns componentes resultou na criação de um time de futebol com as cores azul e branco, posteriormente transformado em um novo bloco carnavalesco, fundado por Antônio Fernandes da Silveira, o “China”.
Veja, o samba da Escola Campeã:
Soy loco por ti, América – A Vila canta a latinidade
André Diniz, Serginho 20, Carlinhos Do Peixe, Carlinhos Petisco
“Sangue caliente” corre na veia
É noite no Império do Sol
A Vila Isabel semeia
Sua poesia em “portunhol”
E vai… buscar num vôo à imensidão
“Dourados” frutos da ambição
Tropical por natureza
Fez brotar a miscigenação
“Soy loco por tí, América”
Louco por teus sabores
(bis)
Fartura que impera, mestiça mãe terra
Da integração das cores
Nas densas “Florestas de cultura”
Do sombrero ao chimarrão
Sendo firme, “sin perder la ternura”
E o amor por este chão
Em límpidas águas, a clareza
Liberdade a construir
Apagando fronteiras, desenhando
Igualdade por aqui
Arriba, Vila !!!
Forte e unida
Feito o sonho do libertador
A essência latina é a luz de Bolívar
Que brilha num mosaico multicor
Para bailar “La Bamba”, cair no samba
Latino-americano som (bis)
No compasso da Felicidade
“Irá pulsar mí corazón”

Da Redacao