Brasília – O mais recente Mapa da Violência no país escancara o que sempre aparece em outros indicadores: a vítima preferencial dos homicídios e da violência urbana é a população negra. A taxa de homicídios entre negros é 73% maior que entre brancos – 31,7 por 100 mil para negros, 18,3 por 100 mil para brancos. Os Estados campeões da violência contra negros são Paraíba e Alagoas, onde há oito vezes mais assassinatos de negros do que de brancos.
Os dados do Estudo divulgado pela Organização dos Estados Ibero-Americanos (OEI), revelam que o Brasil é campeão mundial em mortes de jovens de (15 a 24 anos) por arma de fogo, com taxa de 43,1. O perfil da vítima: homem (92% das vítimas) e negro. As mortes acontecem, de acordo com o estudo, na sua maioria, nos finais de semana.
Na faixa de 14 a 17, houve um crescimento de 63% na taxa de homicídios entre 1994 e 2004. No mesmo período, na faixa de 20 a 24 anos, o crescimento foi 36%, chegando ao patamar mais alto de todas as faixas etárias, 64,9 assassinatos para cada 100 mil pessoas.
Pela primeira vez a pesquisa separou os dados por município e descobriu que a violência está se “interiorizando”. Das dez cidades com as mais altas taxas médias de homicídio entre 2002 e 2004, apenas duas têm mais de 100 mil habitantes.
Segundo Júlio Jacobo Waiselfisz, responsável pelo estudo, o crescimento médio anual do número de homicídios nas grandes cidades passou de 6,1% (1994-1999) para 0,8% (1999-2004). No interior, foi o inverso -de 4,9% para 5,3%. Em sua opinião essa inversão é reflexo de políticas de segurança mais fortes nas grandes cidades, da descentralização e do crescimento econômico e da melhoria na implementação do SIM – Sistema de Informações sobre Mortalidade – usado como base de dados.
A cidade campeã no ranking da violência é Colniza (MT), com apenas 12, 3 mil habitantes, com uma taxa de homicídios de 165,3 para cada 100 mil habitantes, seis vezes maior que a média nacional, de 27,0. Outras três cidades de Mato Grosso também estão no topo da lista: Juruena, São José do Xingu e Aripuanã.
A primeira capital a aparecer na lista é Recife, na 13ª posição. A cidade de São Paulo, com uma taxa de 48,2 homicídios, está no 182º lugar. Os primeiros municípios paulistas no ranking são São Sebastião (28º), Diadema (30º) e Itapecerica da Serra (36º). Pernambuco, que, em 94, ocupava o quinto lugar no ranking dos Estados, assumiu o topo da lista em 2004.
O responsável pelo estudo faz uma constatação sombria. “É como se a história da violência brasileira fosse a história do extermínio de sua própria juventude”, concluiu.

Da Redacao