S. Paulo – Graça Machel  e Maria Eugénia Neto, viúvas, respectivamente, do líder da luta contra o regime do Apartheid na África do Sul, Nelson Mandela, morto em novembro do ano passado, e de Agostinho Neto, dirigente da luta anticolonial em Angola e seu primeiro presidente, serão as estrelas da Flink Sampa, a feira de arte e literatura negras promovida pela Universidade Zumbi dos Palmares.

A Flink deste ano, que acontece nos dias 22 e 23 de novembro no Memorial da América Latina, em S. Paulo, homenageará a escritora negra Carolina Maria de Jesus (1914/1977), a ex-catadora de papel autora de “Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada”, que foi traduzido para várias línguas.

A viúva de Mandela, que presidiu a África do Sul e foi ganhador do Prêmio Nobel da Paz (foto na capa), será responsável pelo encerramento da Flink com uma palestra, e também comparecerá a cerimônia de premiação do 12º Troféu Raça Negra, no dia 24 de novembro, na Sala S. Paulo.

Por sua vez, Maria Eugênia Neto (foto ao lado), estará acompanhada de Irene, a filha do primeiro presidente de Angola. As duas lançarão o prêmio que leva o nome do ex-presidente angolano e que dará US$ 50 mil (cerca de R$ 120 mil), a pesquisadores da cultura angolana e da diáspora África-Brasil.

Segundo o reitor José Vicente, da Zumbi, Vera Eunice, a filha de Carolina estará ao lado de Irene Neto, no debate “A Filha de Grandes Estrelas da Escrita”, no dia 22, e que terá a participação especial de Ilyasah Shabazz, filha do ativista norte-americano Malcolm X.

Além das famílias dos dois líderes africanos participarão da segunda edição da Flink, os escritores angolanos Isabel Ferreira e Lopito Feijóo, a moçambicana Paulina Chiziane e o cubano Charles Mooore, além dos brasileiros Carlos Alberto Dória e Oscar Pilagallo.

Da Redação, com informações da Folha de S. Paulo